04/09/2020
08:35

Frederick Wassef, Fabrício Queiroz e Jair Bolsonaro
Frederick Wassef, Fabrício Queiroz e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução | Marcos Corrêa/PR)

247 – O advogado Frederick Wassef, que defendia o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e escondeu Fabrício Queiroz em sua chácara em Atibaia (SP), estaria utilizando gravações de conversas com Jair Bolsonaro para ter suas vontades atendidas no Palácio do Planalto. Pessoas próximas ao advogado teriam confirmado a existência das gravações. Não se sabe qual o conteúdo das conversas. A informação é da revista Crusoé, publicada nesta sexta-feira (4).

A esposa de Wassef, Maria Cristina Boner Leo, também teria contas na Suíça e firmas registradas em paraísos fiscais, de acordo com a revista. A informação teria sido repassada por promotores do país europeu às autoridades brasileiras durante as investigações do mensalão do DEM.

Um processo por improbidade contra Cristina foi aberto em 2011 depois que um ex-secretário de governo do Distrito Federal delatou propina em troca de um contrato no valor de R$ 9,8 milhões.

Wassef repatriou US$ 2 milhões de uma conta nos Estados Unidos para suas contas no Brasil em 2016, apontou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em relatório enviado para o Ministério Público Federal no Rio e para a Polícia Federal em 15 de julho.

Os créditos pertencem principalmente a Bruna Boner Leo Silva, filha e sócia da ex-esposa de Wassef nas empresas Globalweb Outsourcing e Dinamo Network, que têm vários contratos com o governo federal.

Queiroz

O advogado Frederick Wassef tem um imóvel onde Fabrício Queiroz estava escondido quando foi preso em junho. O ex-assessor de Flávio Bolsonaro é acusado de envolvimento em lavagem de dinheiro e em um esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio, onde trabalhava para o parlamentar, que era deputado estadual antes de ser eleito para o Senado.

De acordo com relatório do antigo Coaf, Queiroz fez movimentações financeiras atípicas. Foram R$ 7 milhões de 2014 a 2017.

Extratos bancários de Queiroz também apontaram que ele depositou 21 cheques na conta de Michelle Bolsonaro, entre 2011 a 2016, totalizando R$ 72 mil. Márcia Aguiar depositou outros seis, totalizando R$ 17 mil.

Publicado por: Chico Gregorio

0 Comentários

Deixe o seu comentário!