22/12/2018
11:13

Com o fim do prazo para inscrição no programa Mais Médicos, 15 municípios potiguares ainda se encontram com vagas vazias deixadas pelos cubanos. Ao todo, são 20 vagas que ainda restam ser preenchidas, de um total de 139 ofertadas pelo Programa. Além das vagas em aberto, houve também cerca de 110 migrações de médicos que faziam parte de Equipes de Saúde da Família (ESF). Alguns municípios, já fragilizados, perderam médicos e aguardam a abertura de uma nova chamada para tentar completar o quadro de profissionais.

Das 110 migrações que aconteceram do Estado, 82 foram entre municípios do Rio Grande do Norte, e 28 para municípios de outros Estados. É o caso do município de Lagoa Nova, a cerca de 150 km de distância da capital potiguar. Lá, de acordo com o prefeito da cidade, Luciano Santos, havia seis médicos atuando em Equipes de Saúde da Família. O primeiro baque sofrido no município, que tem mais de 15 mil habitantes, foi com a saída dos cubanos: dois médicos deixaram o Brasil. O segundo veio com a abertura do edital mais recente, quando outros dois médicos brasileiros que estavam contratados, se inscreveram no edital do Mais Médicos e deixaram o município para atuar em outros locais.
Na tentativa de preencher as vagas deixadas pelos cubanos e brasileiros, o município de Lagoa Nova chegou a abrir, ainda no dia 15, uma chamada para contratação de novos profissionais. Eles ofereceram o salário de R$ 11.857,00, o mesmo que era pago anteriormente às equipes, mas ninguém se apresentou. “Estão acontecendo verdadeiros leilões nos municípios, alguns oferecendo salários altíssimos para tentar atrair profissionais e, sinceramente, não sei como eles vão honrar esses pagamentos quando muitos não conseguem sequer fechar a folha do fim do mês”, relata o prefeito, Luciano Santos.

De acordo com ele, atualmente não há médicos atuando na zona rural do município e a população, que antes estava assistida pelas equipes, já está sentindo o impacto da falta dos profissionais.

“Muitos municípios do interior, por muito tempo, não tiveram esse tipo de assistência. E agora, que as pessoas tiveram a experiência de ter de fato médicos atendendo, elas não querem voltar à situação que estava antes. Estamos tentando ao máximo fazer a contratação para não deixar a população desassistida, mas ninguém se apresentou na cidade até o momento”, completa.

Na última quinta-feira (20), o Ministério da Saúde informou a abertura de um novo edital, para preencher as 2.448 vagas que ainda estavam em aberto no país. O prazo final para que os médicos se apresentassem nos municípios acabou na última terça-feira (18). De acordo com o balanço divulgado, 5.846 médicos se apresentaram nas cidades escolhidas, porém 1.177 municípios e 28 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) permanecem os postos preenchidos.

Relembre
No dia 20 de novembro, foram abertas as inscrições para o programa Mais Médicos, a fim de substituir as vagas deixadas pelos médicos cubanos, que deixaram o país. A apresentação de médicos com registro brasileiro era a última etapa da primeira fase de seleção do programa. No dia 20 de dezembro, houve uma nova oferta anunciada pelo Ministério da Saúde para tentar preencher aquelas que ainda estavam em aberto.

Nos dias 27 e 28 de dezembro, as vagas que ainda não tiverem sido ocupadas pelos médicos com registro brasileiro serão abertas para profissionais brasileiros formados no exterior. Apenas nos dias 3 e 4 de janeiro de 2019, no entanto, os médicos estrangeiros e formados no exterior poderão se inscrever no Programa para atuar nos municípios remanescentes.

Municípios com postos vazios no RN

Alexandria – 1 vaga
Caicó – 2 vagas
Currais Novos – 2 vagas
Bodó – 1 vaga
Guamaré – 1 vaga
Jaçanã – 1 vaga
Lagoa Nova – 2 vagas
Mossoró – 2 vagas
Parazinho – 1 vaga
Pedra Preta – 1 vaga
Riacho de Santana – 2 vagas
Santana de Matos – 1 vaga
Taboleiro Grande – 1 vaga
Acari – 1 vaga
Assu – 1 vaga

Tribuna do Norte

Publicado por: Chico Gregorio

0 Comentários

Deixe o seu comentário!