15/02/2019
07:51

Via Esmael Morias.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, ameaçou nesta quinta-feira (14) levar junto consigo o presidente Jair Bolsonaro (PSL), caso seja demitido em razão do desvio de R$ 400 mil do fundo partidário do PSL para a campanha de uma “candidata laranja” em Pernambuco.  

Leia mais

Publicado por: Chico Gregorio


15/02/2019
07:49

 

Valter Campanato / Agência Brasil
Jair Bolsonaro, presidente do Brasil

Depois de reunião com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, para fechar os detalhes da proposta de reforma da Previdência que será enviada ao Congresso Nacional, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse, nesta quinta-feira, 14, que Bolsonaro defende idade mínima de 65 para homens e 62 para mulheres no final do período de transição, que duraria 12 anos.

O encontro ocorreu no Palácio da Alvorada e contou ainda com a participação dos ministros-chefes da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Bolsonaro disse em entrevista à Record na quarta-feira, 13, que bateria o martelo sobre a proposta nesta quinta. Um dos impasses era em relação à idade mínima de aposentadoria. A minuta trazia uma proposta de idade mínima igual de 65 anos para homens e mulheres, mas o presidente tinha resistências.

A equipe econômica, porém, vinha tentando fazer o convencimento com dados mostrando que a diferença salarial entre os mais jovens (que serão atingidos por essa idade mínima) é menor do que em outras faixas etárias.

Publicado por: Chico Gregorio


15/02/2019
07:43

Via Esmael Morias.

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, sempre alerta e mais do que nunca no aquecimento, se aproxima de comunistas e sindicalistas da CUT (Central Única dos Trabalhadores) enquanto Jair Bolsonaro (PSL) vive seu inferno astral e chafurdando-se em mais um escândalo — agora o laranjal do PSL. 

Leia mais

Publicado por: Chico Gregorio


15/02/2019
07:42

Via Esmael Morias.

O deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ), que quebrou uma placa com o nome da vereadora Marielle Franco (PSOL) no ano passado, emoldurou um pedaço do artefato quebrado e o pendurou em seu gabinete, na Assembleia Legislativa do Rio (ALERJ), como uma espécie de troféu.  

Leia mais

Publicado por: Chico Gregorio


14/02/2019
10:00

Menos de uma semana após o incêndio que matou 10 jovens das categorias de base, o Flamengo volta a jogar nesta quinta-feira, às 20h30, contra o Fluminense, no Maracanã. Abel Braga fechou os treinos nos últimos dias, mas testou Gabigol no lugar de Uribe durante as atividades. Essa deve ser a única mudança em relação ao time que venceu a Cabofriense.

A tendência é que o Flamengo inicie o jogo com Diego Alves, Pará, Rhodolfo, Rodrigo Caio, Renê; Cuéllar, Willian Arão, Diego, Everton Ribeiro, Bruno Henrique e Gabigol. Dos quatro reforços que chegaram em janeiro, Arrascaeta será o único a iniciar no banco.

Abel Braga e Gabigol Flamengo — Foto: Alexandre Vidal

Abel Braga e Gabigol Flamengo — Foto: Alexandre Vidal

O elenco rubro-negro realizou o último treino antes do clássico, na manhã desta quarta, no Ninho do Urubu. Como o CT está temporariamente interditado para pernoites, os jogadores foram liberados e se reapresentam na noite desta quarta em um hotel.

Por ter terminado em primeiro no grupo C, o Flamengo tem a vantagem de jogar por um empate. O Rubro-Negro só não avança à decisão em caso de derrota para o Fluminense.

Publicado por: Chico Gregorio


14/02/2019
09:50

O Governo do Estado confirma a continuidade do pagamento adiantado de servidores, nesta sexta-feira, 15, quando recebem, em valores integrais, quem ganha até R$ 6 mil e também servidores dos órgãos que integram a Segurança Pública.

A data foi acertada durante reunião no último dia 05, entre o Governo do Estado e as entidades representativas do funcionalismo público. No dia 28, fechando a folha, recebem o complemento de 70% quem ganha acima de R$ 6 mil, pois esta categoria já recebeu 30% do salário no último dia 11.

O pagamento foi confirmado depois da decisão do Desembargador João Batista Rebouças, presidente do Tribunal de Justiça do RN, que manteve o acordo firmado entre o Governo do RN e o Fórum de Servidores. Em sua decisão, o Desembargador considera a “atual e notória insuficiência de recursos” do Governo do RN para quitar todas as dívidas de maneira simultânea. O Presidente do TJ destacou que “não se pode desconhecer o louvável esforço da atual gestão do Estado do Rio Grande do Norte que, após intensas discussões e concessões recíprocas, junto a representantes dos servidores públicos civis e militares, conseguiu acordar pela definição de um calendário de pagamento”.

Publicado por: Chico Gregorio


14/02/2019
09:46

Em entrevista divulgada na madrugada desta quarta-feira pela Rede TV, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do Presidente Jair Bolsonaro, ampliou a luta interna no Planalto ao dizer que faltava ao vice-presidente, Hamilton Mourão, “um pouquinho de traquejo político”. No final de novembro, Mourão já tinha sido alvo de Carlos. O vereador escreveu no Twitter que a morte do pai “interessa aos que estão muito perto”.

Publicado por: Chico Gregorio


14/02/2019
09:42

As coisas poderiam estar perfeitas para Jair Bolsonaro. O presidente acaba de receber alta hospitalar, o Renan Calheiros levou uma paulada no Senado, o Lula continua preso e o PT se diverte discutindo se Gleisi Hoffmann errou ao comparecer à posse de Nicolás Maruro, na Venezuela. Entretanto, embora a conjuntura sorria para o presidente, seu governo parece decidido a adotar o tiro contra o próprio pé como esporte predileto. Sem oposição, o governo cria suas próprias crises. Faz isso com o luxuoso auxílio da família Bolsonaro.

A penúltima crise foi produzida pelo vereador Carlos Bolsonaro, o ‘Zero Dois’ da prole presidencial, o filho que o presidente chama carinhosamente de ‘Meu Pitbull’.  Pois bem, Carlos mordeu o ministro palaciano Gustavo Bebianno. Chamou-o de mentiroso. Para mostrar que não acionava as mandíbulas sozinho, o “pitbull” jogou nas redes o áudio do pai se recusando a atender ao ministro que jurava ter se comunicado com ele.

Governar o Brasil deve ser algo prazeiroso. O horário é flexível, o dinheiro é razoável, há um carro oficial na garangem e um avião no hangar. Além disso, há sempre a possibilidade de executar a demissão de alguém como Gustavo Bebianno. Deve ser uma sensação boa afastar um ministro cuja serventia no Planalto é algo ainda pendente de demonstração. Mas Bolsonaro resolveu terceirizar ao filho a desmoralização do ministro.

Aos pouquinhos, a família Bolsonaro vai se revelando uma usina de encrencas. O próprio presidente ainda deve à plateia explicações sobre o depósito feito pelo ex-assessor de Flávio Bolsonaro, o filho-senador, na conta da primeira-dama Michelle. Quando um presidente não tem oposição e fabrica suas próprias crises, a coisa vai mal. Quando as crises nascem no seio familiar, elas tedem a se tornar duradouras e insolúveis.

JOSIAS DE SOUZA

Publicado por: Chico Gregorio


14/02/2019
09:39

Azedaram-se os humores de Gustavo Bebianno em relação a Jair Bolsonaro. O ministro palaciano considera-se vítima de uma deslealdade. O que parecia apenas mais um destempero de Carlos Bolsonaro revelou-se, aos olhos de Bebianno, uma emboscada tramada junto com o pai-presidente. Ao se dar conta de que fora enterrado vivo, Bebianno recusou o papel de morto, prolongando a encenação.

Aconselhado a sair de fininho, o ministro revelou-se, num primeiro momento, disposto a pedir demissão. Depois, deu meia-volta. Se mantiver a disposição, arrastará Bolsonaro para a beira da cova. É como se desejasse forçar o capitão a imprimir as digitais no cabo da última pá de cal. Não convive bem com a ideia de ser demitido via Twitter pelo desafeto Carlos Bolsonaro. Prefere que o dono do “pitbull” assuma a responsabilidade de rubricar o ato de exoneração.

Em diálogos privados que manteve na noite de quarta-feira, Bebianno mostrou-se aborrecido com a entrevista concedida por Bolsonaro à TV Record. Nela, o presidente disse ter encomendado investigação da Polícia Federal sobre os repasses de dinheiro público do fundo eleitoral para candidatos cítricos do PSL. Acrescentou que, se Bebianno estiver envolvido com o laranjal do partido, “lamentavelmente o destino não pode ser outro a não ser voltar às suas origens.”

A entrevista fora gravada no hospital Albert Einstein, antes de Bolsonaro voar de volta para Brasília. Ficou claro para Bebianno que a postagem em que Carlos Bolsonaro o chamara de mentiroso horas depois era parte de uma trama. A irritação do ministro aumentou depois que Jair Bolsonaro reproduziu em suas redes sociais as postagens do filho e o pedaço da entrevista em que ele próprio aproximou sua cabeça da bandeja.

Afora os enroscos do filho-senador Flávio Bolsonaro com o Coaf, o capitão comanda um ministério carunchado. Inclui um condenado por improbidade administrativa (Ricardo Salles), um denunciado por fraude em licitação e tráfico de influência (Luiz Henrique Mandetta), um investigado por transações suspeitas com fundos de pensão (Paulo Guedes), uma citada em delação da JBS (Tereza Cristina), um beneficiário confesso de caixa dois (Onyx Lorenzoni) e outro suspeito de envolvimento no caso dos candidatos laranjas do PSL (Marcelo Álvaro Antônio). O capitão convive harmoniosamente com todos. De repente, decidiu oferecer o escalpo de Gustavo Bebianno num ritual de purificação ética do seu governo. A encenação pode custar caro.

Parlamentares do PSL receiam que Bebianno evolua rapidamente do estágio de zumbi para o de assombração. A pedido de Bolsonaro, ele presidiu o PSL desde a pré-campanha presidencial. Só devolveu o comando da legenda ao seu dono, o deputado Luciano Bivar (PSL-PE), depois que Bolsonaro foi guindado ao Planalto. Ex-coordenador da campanha de Bolsonaro, insinua que colecionou segredos que o presidente talvez preferisse manter a salvo da curiosidade alheia.

JOSIAS DE SOUZA

Publicado por: Chico Gregorio


14/02/2019
09:34

 

Reprodução / Instagram | Dida Sampaio / Estadão
Carlos Bolsonaro disse que secretário-geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, mentiu sobre contatos com o presidente

O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente Jair Bolsonaro, escreveu nesta quarta-feira, 13, no Twitter que o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, mentiu ao afirmar que teria conversado três vezes com o presidente na terça, 12. Ele também publicou um áudio que indica ter sido gravado pelo presidente em que Bolsonaro diz a Bebianno que não falará com ninguém.

Em entrevista ao jornal O Globo, Bebianno negou ser motivo de instabilidade no governo após a repercussão de uma publicação da Folha de S. Paulo, que informa que o PSL, partido do presidente, teria financiado uma candidatura laranja em Pernambuco nas eleições de outubro de 2018. Bebianno era o presidente da sigla na época.

“Falei três vezes com o presidente”, disse Bebianno. Carlos, que diz ter estado 24 horas ao lado de Bolsonaro, desmentiu o ministro: “É uma mentira absoluta de Gustavo Bebbiano (sic) que ontem teria falado 3 vezes com Jair Bolsonaro para tratar do assunto citado.”

Carlos Bolsonaro

@CarlosBolsonaro

Ontem estive 24h do dia ao lado do meu pai e afirmo: “É uma mentira absoluta de Gustavo Bebbiano que ontem teria falado 3 vezes com Jair Bolsonaro para tratar do assunto citado pelo Globo e retransmitido pelo Antagonista.”

Ver imagem no Twitter

Carlos Bolsonaro

@CarlosBolsonaro

Não há roupa suja a ser lavada! Apenas a verdade: Bolsonaro não tratou com Bebiano o assunto exposto pelo O Globo como disse que tratou: pic.twitter.com/pJ4bkvMMGj

“Não há roupa suja a ser lavada!”, escreveu Carlos em uma segunda postagem. “Apenas a verdade: Bolsonaro não tratou com Bebiano (sic) o assunto exposto pelo ‘O Globo’ como disse que tratou.”

No áudio publicado por Carlos, a voz atribuída a Bolsonaro diz: “Gustavo, está complicado eu conversar ainda, então não vou falar. Não vou falar com ninguém a não ser o estritamente essencial. Estou em fase final para possível baixa hoje. Boa sorte aí.”

De acordo com a publicação da Folha, Bebianno teria sido responsável pela liberação de R$ 250 mil de verba pública para a campanha de uma ex-assessora, que repassou parte do dinheiro para uma gráfica registrada em endereço de fachada. A gráfica teria sido a mesma usada pela candidata Maria de Lourdes Paixão, que diz ter repassado R$ 380 mil à empresa.

Não é o primeiro atrito entre Carlos e Bebianno. O filho do presidente deixou a equipe do governo de transição em novembro após rusgas com o agora ministro. O vereador chegou a ser cotado para assumir a Secretaria de Comunicação da Presidência. A possibilidade foi comunicada pelo próprio Bebianno em novembro, após ser confirmado como futuro ministro. A atitude de Bebianno foi vista como precipitada e como um “afago falso”, como noticiou o Estado.

“Caráter não se negocia. Quando há compulsão por aparecer a qualquer custo, sempre tem algo por trás”, escreveu Carlos no Twitter, à época. “Somos humanos e falhamos, mas a procura por holofote é um péssimo indicativo do que se pode esperar de um indivíduo. Jamais trairei meus ideais.”

Auxiliares de Carlos Bolsonaro tinham expectativa de que ele se tornasse uma espécie de conselheiro do pai na área da comunicação. Mas, desde o início da campanha, a aproximação de Bebianno com o então presidenciável do PSL passou a ser vista como negativa pelo vereador. Ele achava que o advogado teria se aliado ao pai por interesses próprios e promoveu alianças que desaprovou.

Publicado por: Chico Gregorio


14/02/2019
09:29

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte João Rebouças derrubou a liminar que impedia o Governo de pagar os servidores dentro do mês trabalhado antes de quitar os salários atrasados herdados da gestão Robinson Faria. Com a decisão, o Executivo mantém a programação de pagamento do funcionalismo anunciada desde a semana passada após acordo com o Fórum Estadual de Servidores.

A liminar cassada é do juiz de Currais Novos Marcus Vinícius Pereira Neto, mesmo magistrado que já havia impedido um ato em defesa da liberdade do ex-presidente Lula em Currais Novos, em 2018. A ação popular foi ajuizada pelo vereador Ezequiel Pereira da Silva Neto, filiado ao Solidariedade.

De acordo com o presidente do TJ, “o cumprimento da decisão acarretaria lesão à ordem e economia públicas, bem como à autonomia do Estado”.

Ao derrubar a liminar, João Rebouças valorizou o acordo firmado entre o Governo e as associações e entidades sindicais, cuja decisão de Marcus Vinícius Pereira Neto havia ignorado.

– Ora, determinar o pagamento dos atrasados do ano anterior (décimo de 2017 e alguns meses de 2018), retorna-se à situação de imprevisibilidade, na qual o pagamento da parcela salarial posterior dependerá, inevitavelmente, do ingresso eventual e incerto de recursos futuros, quebrando todo cronograma e planejamento já efetuado para regularização dos salários em atraso.

O magistrado também reconheceu o esforço do Governo em pagar o funcionalismo firmando, na mesa de negociação, um acordo com os servidores.

– Não se pode desconhecer o louvável esforço da atual gestão do Estado do Rio Grande do Norte que, após intensas discussões e concessões recíprocas, junto a representantes dos servidores públicos civis e militares, conseguiu acordar pela definição de um calendário de pagamento que contemplasse a quitação tempestiva dos salários referentes ao exercício de 2019, aliado ao compromisso de buscar receitas extraordinárias para a quitação do passivo salarial gerado em 2017 e 2018, segundo, que restou assumido, pelo Executivo Estadual, no acordo já mencionado, o compromisso de pagar as folhas salariais em atraso, obedecendo a ordem cronológica do passivo deixado pela anterior gestão, ajustando que serão carimbadas todas as entradas de recursos extras e antecipatórios para o pagamento dos salários atrasados, obedecida a seguinte ordem de pagamento: i) 13o salário de 2017; ii) Salário de novembro de 2018; iii) 13o salário de 2018 e; iv) Salário de dezembro de 2018.

mudança na ordem cronológica do pagamento proposta pelo Governo e aceita pelos servidores tem amparo legal, conforme registrou em reportagem a agência Saiba Mais aqui
Via Saiba Mais .

Publicado por: Chico Gregorio


14/02/2019
09:23

:

247-A maioria dos ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que compõem a Seção Especializada em Dissídios Coletivos decidiu na terça-feira (12) que a greve contra a privatização da Eletrobras foi ilegal; a decisão abre precedente para que outras paralisações do mesmo tipo sejam classificadas da mesma forma, o que pode levar a pagamento de multa por entidades sindicais e desconto salarial do trabalhador

Publicado por: Chico Gregorio


14/02/2019
09:22

: <p>nagem</p>

247- O ‘amigo particular de Jair Bolsonaro, Carlos Victor Guerra Nagem, não passou no teste para assumir a gerência-executiva de Inteligência e Segurança Corporativa da Petrobras; ele havia sido nomeado para o cargo em janeiro pelo presidente da estatal, Roberto Castello Branco; a nota da empresa foi técnica: “apesar de sua sólida formação acadêmica e atuação na área, seu nome não foi aprovado porque ele não possui a experiência requerida em posição gerencial que é necessária à função”

Publicado por: Chico Gregorio


12/02/2019
10:40

 

O senador Styvenson Valentim (Podemos) pretende investigar os critérios para a concessão e o pagamento de reparações econômicas aos anistiados políticos no Brasil. Ele já começou a recolher assinaturas para a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado. A bancada do PSL na Câmara dos Deputados age no mesmo sentido.

A Comissão Nacional da Verdade reconheceu, entre mortos e desaparecidos, 423 vítimas da ditadura militar. Ainda hoje, 210 pessoas seguem sem paradeiro. No entanto, a CPI proposta pelo senador potiguar não tem o foco nesse tema.

As pensões aos anistiados políticos são pagas com base na Lei 10.559 de 2002, quando a presidência da República era ocupada por Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e alcançam as cifras de R$ 10 bilhões. Aproximadamente 39 mil pessoas já receberam o benefício no país, em parcela única ou de forma parcelada.

Uma reportagem publicada pela revista Isto é neste final de semana reacendeu a polêmica após a ministra dos Direitos Humanos, da Família e da Mulher Damares Alves afirmar que vai rever o pedido de indenização feito pela ex-presidenta Dilma Rousseff.

A questão é política. Dilma Rousseff, como é de conhecimento público, foi presa e torturada pelos militares.

 

 

Publicado por: Chico Gregorio


12/02/2019
10:33

Deputada federal Natália Bonavides cobrou respeito aos familiares de mortos e desaparecidos da ditadura

Advogada popular e defensora dos Direitos Humanos, a deputada federal Natália Bonavides (PT) se pronunciou a respeito da CPI proposta pelo senador Styvenson Valentim. A parlamentar pediu respeito às famílias de mortos e desaparecidos. E cobrou a revisão de todos os crimes cometidos pelos agentes da ditadura:

– A existência de anistiados políticos se deve em razão dos crimes bárbaros e da perseguição política perpetrados pelo Estado brasileiro. Inclusive, temos vários potiguares que foram violados nesse período, com prisões arbitrárias, exílio, tortura; e até mesmo familiares que sequer puderam enterrar o corpo de seu ente querido, como a família de Luiz Maranhão, até hoje desaparecido. Essas pessoas devem ser respeitadas; indenização por essas situações é o mínimo de reparação possível. O que deveria mesmo ser revisto era o fato de todos os crimes cometidos por agentes da ditadura, inclusive tortura, assassinatos e ocultação de cadáveres, terem sido abarcados pela anistia”, disse.

Via Saiba Mais.

Publicado por: Chico Gregorio