24/09/2019
07:11

A especulação que o  ex-prefeito  de Serra Negra do Norte, Rogério Bezerra Mariz, estaria estudando a possibilidade de transferir o domicilio eleitoral para a cidade de Caicó, para ficar em condições de disputar a prefeitura do município, caso se confirme, pode provocar uma verdadeira reviravolta nas eleições municipais do próximo ano.

Considerado um grande administrador,  fez uma das maiores administrações  já realizadas na cidade de Serra Negra do Norte, mesmo sendo um município de pequena arrecadação, sendo eleito e reeleito, que repercutiu em todo o Seridó, até no estado do RN,   a entrada de Rogério na disputa, pode provocar um verdadeiro vexame nos velhos caciques da política caicoense, que ao longo dos anos, vem alternadamente administrando o município de Caicó, com resultados que não vem agradando a população caicoense.

Caso deseje, Rogério Mariz, teria uma eleição relativamente tranquila em Serra Negra do Norte, mas ao que parece, ele  sempre teve o desejo de dar sua contribuição ao município de Caicó.

Publicado por: Chico Gregorio


24/09/2019
06:42

Foi usando uma aeronave não tripulada, equipamento comercialmente conhecido como Drone, que a Polícia Militar conseguiu visualizar um veículo roubado e dentro uma vítima de sequestro relâmpago.

O caso é o mesmo em que um elemento tombou ao atirar na polícia na tarde desta segunda feira na zona rural de Caicó, entre o Distrito Palma e a Comunidade Barra da Espingarda, ambos no município de Caicó.

Estrategicamente o trio que assaltou um servidor público pela manhã se separou para tentar dificultar ser localizado pela polícia, contudo, o caicoense João Nogueira Lopes ousou em roubar um veículo.

Via Jair Sampaio.

Publicado por: Chico Gregorio


24/09/2019
06:38

247 – “A agenda de Jair Bolsonaro nos EUA foi cortada ao máximo, quando se consideram as versões iniciais. No total, Bolsonaro e Michelle ficam 31 horas em solo americano”, segundo informa o jornalista Lauro Jardim, em sua coluna.

Hoje de manhã ele discursa na abertura da assembleia-geral das Nações Unidas e depois tem agendas pouco relevantes.

Abaixo a descrição feita por Jardim:

O almoço é “privado” no hotel. E às 15h, no próprio Intercontinental Barclay, tem um rápido encontro com Rudolf Giuliani, ex-prefeito de Nova York — a agenda crava apenas dez minutos. Nenhuma conversa aprofundada, portanto. Bolsonaro estará acompanhado por alguns ministros, entre eles, o general Augusto Heleno, e do assessor internacional Felipe Martins. Às 19h, Bolsonaro e Michelle estarão na recepção oferecida por Trump aos chefes de estado que participam da reunião da ONU, no Lotte New York Palace Hotel, na Avenida Madison. Uma hora e meia depois, Bolsonaro e Michelle já rumam para o aeroporto JFK para voltar ao Brasil.

Publicado por: Chico Gregorio


24/09/2019
06:34

O deputado federal paraibano Frei Anastácio (PT) criticou o decreto de número 9954/2019, assinado por Jair Bolsonaro, no dia 5 de setembro, que dispõe sobre o processo de privatização da Transposição das Águas do Rio São Francisco. “Esse é mais um ataque desse governo contra o Nordeste. É um crime contra o povo nordestino”, lamentou o deputado.

De acordo com o deputado, o preço será pago pelo povo. “O que restará para o povo das cidades beneficiadas pela transposição será pagar mais caro pela água que consumir”, disse o deputado.

O decreto assinado por Bolsonaro inclui o Projeto São Francisco de Integração de Bacias, no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI).

O governo vai abrir um leilão para a iniciativa privada que será chamada para gerar e vender energia ao longo dos canais Norte e Leste da Transposição.

“Ora, este Governo não engana ninguém, esta é só mais uma demonstração de que ele não se importa com o povo nordestino. Está colocando os interesses do povo em segundo plano, para dar vez aos interesses dos empresários”, disse Frei Anastácio.

Para o parlamentar, estamos vendo a maior obra hídrica do país, sonhada pelo imperador Dom Pedro II e realizada pelo operário Lula, para ajudar o povo nordestino, sendo usada para beneficiar investidores de forma disfarçada de desenvolvimento regional.

Via PBAgora.

Publicado por: Chico Gregorio


24/09/2019
06:30

A desarticulação política do governo é um dos fatores que pode atrapalhar a votação da PEC (Foto: Reprodução)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Por causa da pressão para liberação de emendas parlamentares, a votação da proposta de reforma da Previdência no plenário do Senado foi adiada de terça-feira (24) para quarta (25).

Deputados e senadores usam essas emendas para destinar recursos a suas bases eleitorais. O governo vem negociando a liberação desse dinheiro para reduzir as resistências no Congresso em relação à proposta de mudança nas regras de aposentadorias e pensões.

Para atender a deputados, o presidente Jair Bolsonaro enviou um projeto de lei, em agosto, abrindo um crédito de quase R$ 3 bilhões no Orçamento. Interlocutores do Planalto reconhecem que cerca de R$ 2 bilhões são para emendas parlamentares.

Esse projeto, porém, ainda não foi aprovado e está na fila de votações do plenário do Congresso.

Diante da pressão, o presidente do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), marcou para esta terça (24) mais uma sessão que reúne deputados e senadores, bem no horário em que estava prevista o início da votação da reforma da Previdência no Senado.

O objetivo de Alcolumbre é votar vetos presidenciais e aprovar a abertura de crédito.

O início da análise da reforma no plenário do Senado havia sido acordado com líderes partidários do Senado em agosto. A data, portanto, teve que ser alterada.

Inicialmente, a sessão do Congresso seria apenas na próxima semana, pois Alcolumbre não queria relacionar a votação do crédito para emendas com a PEC.

A desarticulação política do governo é um dos fatores que pode atrapalhar a votação da PEC (proposta de emenda à Constituição) que reestrutura as regras de aposentadoria e pensões.

Uma ala do Senado também quer ser beneficiada pela liberação de emendas.

Articuladores de Bolsonaro no Congresso não sabem, no entanto, quando deve ser enviado um projeto que visa atender às demandas dos senadores.

Sem uma base unida, o governo corre risco de sofrer derrotas na votação da reforma, avaliam líderes do Senado.

Maior bancada da Casa, o MDB quer apresentar dois destaques ao texto principal. Destaques são instrumentos para que trechos da proposta sejam analisados separadamente.

As sugestões do partido ainda serão discutidas nesta terça. Parte dos senadores defende regras mais suaves para que o trabalhador possa receber o abono salarial, espécie de 14º salário pago pelo governo a trabalhadores com carteira assinada e baixa renda.

Há também reclamações no Senado em relação ao pacto federativo -conjunto de medidas que busca beneficiar estados e municípios. Esse pacote tem objeto de negociação entre partidos e o ministro Paulo Guedes (Economia), mas pouco avançou no Congresso.

Apesar do adiamento da votação da reforma da Previdência no plenário, a proposta deverá ser analisada pela CCJ (comissão de Constituição e Justiça) na manhã desta terça.

Essa é a etapa anterior à apreciação no plenário, onde a PEC precisará do apoio de 49 dos 81 senadores. Ou seja, ampla maioria.

Essa é a mesma proporção para que destaques sejam derrubados no plenário. Sem articulação, o Senado poderá aprovar alterações que desidratam a restruturação de regras de aposentadorias.

A última estimativa divulgada pelo governo aponta para uma economia de R$ 876,7 bilhões em dez anos com a medida.

A votação marcada para esta semana é apenas da PEC principal da reforma, que já foi aprovada pela Câmara.

O relator, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), incluiu mudanças ao texto em uma PEC paralela, que ainda não tem prazo para ser analisada e, depois, ainda precisará passar pelo crivo dos deputados.

Publicado por: Chico Gregorio


24/09/2019
06:10

 

O Museu Câmara Cascudo (MCC) da UFRN participa da 13ª Primavera dos Museus. Em 2019, o evento aborda o tema Museus por dentro, por dentro dos museus. A programação deste ano acontece entre os dias 24 e 29 de setembro e conta com mesas-redondas, feira de artes, oficina de horta urbana e de slackline, teatro de bonecos, contações de histórias e a realização do I Encontro de Educação Museal do RN. A Primavera dos Museus é promovida em todo o país pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). A abertura oficial ocorre nesta terça-feira, 24, às 18h30, com apresentação do grupo Bando de Sax.

Segundo o diretor do MCC, Everardo Araújo Ramos, a proposta é atrair o público com atividades diferentes das que já acontecem no local, para que as pessoas se sintam atraídas e visitem o Museu. “São dois momentos anuais bem importantes para os museus de todo o país, organizados pelo Ibram, que é a Semana de Museus, em maio, e a Primavera dos Museus, em setembro”, ressalta.

Publicado por: Chico Gregorio


24/09/2019
06:08

Nesta terça-feira (24), a chapa “Força e União” estará concorrendo a nova direção da Associação Norte-riograndense dos Advogados Trabalhistas – ANATRA RN, para o triênio 2019-2022. A eleição acontecerá na sede da OAB/RN, em Natal, das 9h às 17h. O voto deve ser presencial.

A chapa “Força e União” tem como candidato a presidente o advogado Glaydson Soares da Silva, e como vice-presidente o advogado Renato André Mendonça Rodrigues. No total, a chapa é composta por 12 nomes incluindo toda a Diretoria, Conselho Fiscal e os suplentes, além do representante da ABRAT.

Como proposta principal a chapa “Força e União” propõe a continuação do desenvolvimento da ANATRA, buscando inovação e a tecnologia, da interiorização como prioridade em todas as regiões do RN e a instalação de Comissões Temáticas para promover atividades específicas na busca de uma maior integração.

Publicado por: Chico Gregorio


24/09/2019
06:05

Amanhã é dia de apresentação do VI Concerto Oficial da temporada 2019 do projeto Terças Clássicas, da Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte – OSRN. Após passagem, na última sexta-feira (20), pela Paróquia do Santuário dos Santos Mártires de Cunhaú e Uruaçu, a OSRN agora desembarca na Catedral Metropolitana de Natal, nesta terça-feira (24), a partir das 19h. O acesso é livre e não será necessária a retirada prévia de ingressos.

Neste mês, a Orquestra rompeu os limites do palco no teatro e levou a música clássica a duas igrejas da capital, convidando alguns solistas e dois corais para as apresentações. Para amanhã, o maestro Linus Lerner repete o emocionante programa executado na sexta-feira.

O programa inclui obras como: a “Abertura da Páscoa Russa” do compositor russo Nikolai Rimsky-Korsakov que inclui cantos de igrejas de várias nacionalidades: gregos, búlgaros, ucranianos e russos.  Conta com uma convidada especial, a solista soprano lírico do Rio de Janeiro, Paolla Soneghetti, profissional premiada, com participações importantes em festivais, óperas e musicais, dentro e fora do país. Paolla se apresenta nas obras Domine Deus do Gloria, de Antonio Vivaldi, Canção à Lua da Ópera Rusalka, de Antonín Dvorak e Um Bel di Vedremo da ópera Madame Butterfly, de Gioacomo Puccini.

Também será solista, o spalla da OSRN, André Kolodiuk – natalense detentor de uma bagagem musical, com experiências nacionais e internacionais, que irá apresentar ao público, um emocionante solo de violino na obra Meditação da Ópera Thaís, do compositor francês Jules Massenet. Já para a apresentação da obra “Missa da Coroação”, a 15ª missa composta por Mozart no século XVIII, umas das mais populares entre as suas missas, a OSRN convida os solistas Leciana Oliveira (soprano), Franz Ribeiro (Contratenor), César Leonardo (Tenor), José Fernandez (Barítono) e a participação especial do Coral Canto do Povo – regência de Eli Cavalcanti e Coral Harmus – regência de Janilson Batista da Silva.

O programa também traz Intermezzo da ópera Cavaleria Rusticana, de Pietro Mascagni e “Adágio para cordas” do norte-americano Samuel Barber. Escrita em 1936, Adagio é uma peça bastante comovente que tem feito parte da trilha sonora de vários filmes e séries, como no filme Platoon, de Oliver Stone, ganhador de quatro óscares em 1987 que a utilizou como tema.

A temporada 2019 conta com o patrocínio – via incentivo fiscal – da Companhia Energética do RN (Cosern) e Instituto Neoenergia, por meio da Lei Câmara Cascudo, da Unimed Natal, Hospital do Coração Natal e Prefeitura do Natal, por meio da Lei Djalma Maranhão. O projeto Movimento Sinfônico é uma realização da OSRN, Fundação José Augusto e MAPA Realizações Culturais e conta ainda com o apoio do Teatro Riachuelo Natal, Opus Promoções, Galeria Fernando Chiriboga, G7 Comunicação, Wish Natal Exclusive Resort e dos Restaurantes: Camarões Potiguar, La Cachette e Poti Restaurante.

Publicado por: Chico Gregorio


24/09/2019
06:00

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, pautou para esta quarta-feira (25) discussão sobre uma ação que pode afetar condenações da Lava Jato.

O debate gira em torno das chamadas alegações finais —última fase de um processo antes da sentença.

A Segunda Turma do Supremo anulou, em 27 de agosto, por 3 votos a 1, a condenação de Aldemir Bendine, ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil.

No dia seguinte, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, remeteu um caso semelhante para a análise do plenário, para a apreciação do tema pelos 11 integrantes da corte.

O julgamento foi pautado nesta segunda-feira (23) por Toffoli —o tema não estava previsto na pauta— e é uma das discussões decisivas para a Lava Jato e ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro, a serem julgadas pelo Supremo nas próximas semanas.

Ao anular a condenação de Bendine dada por Moro, então titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, a Segunda Turma do STF entendeu que o ex-presidente da Petrobras deveria ter tido mais tempo para se defender de acusações feitas por delatores julgados no mesmo processo.

O STF terá de decidir se é válida uma decisão em que o delator, que auxilia na acusação, pode expor seus argumentos depois do delatado. Bendine foi delatado.

A anulação de sua sentença não pode ser revertida, e o acórdão será redigido pelo ministro Ricardo Lewandowski.

Foi a primeira anulação de uma sentença de Moro. Na esteira da decisão no STF, ao menos mais quatro réus da Lava Jato pediram o mesmo benefício.

Moro havia sentenciado Bendine, em março de 2018, a 11 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Posteriormente, o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) manteve a condenação, reduzindo a pena para 7 anos e 9 meses.

A Lava Jato em Curitiba afirmou em nota que, se o entendimento do caso Bendine se estender a todas as ações penais que tiveram um prazo comum para as alegações finais de réus delatores e delatados, 32 sentenças poderão ser anuladas, envolvendo 143 dos 162 condenados pela operação.

Possíveis beneficiados seriam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB).

O caso na pauta

O caso a ser discutido nesta quarta-feira trata de um pedido de habeas corpus feito pelo ex-gerente de Empreendimentos da Petrobras Márcio de Almeida Ferreira, também condenado por corrupção e lavagem de dinheiro.

Agora, a defesa de Ferreira, em habeas corpus, afirma que a primeira instância da Lava Jato “acertadamente estipulou que os réus colaboradores [delatores] fossem ouvidos antes dos demais [delatados]”, mas, nas alegações finais, “estabeleceu prazo conjunto para todos os réus, colaboradores e não colaboradores”.

No pedido, a defesa argumenta que a apresentação concomitante das alegações finais de réus delatores “viola frontalmente o princípio da ampla defesa e o princípio do contraditório”. E, por isso, pede a anulação da sentença.

No último dia 17, Lewandowski já havia comentado sobre pedidos semelhantes feitos após a decisão sobre Bendine, dizendo que, se o plenário “demorar muito”, poderia “decidir sim ou não”, individualmente, caso a caso.

“Se o Supremo, pelo seu plenário, estiver na iminência de examinar essa questão, não há porque eu me antecipar. Há várias questões, mas vai depender do meu convencimento. Se demorar muito, eu vou decidir sim ou não [sobre os pedidos de anulação]”, afirmou Lewandowski.

A sessão está prevista para começar às 14 horas desta quarta-feira.

Folhapress

Publicado por: Chico Gregorio


24/09/2019
05:57

Dois dias após a morte de Ágatha Félix, 8 anos, baleada em operação policial no Complexo do Alemão, o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), criticou o suposto uso da morte da garota, pela oposição, como palanque político. “É indecente usar caixão como palanque, especialmente de uma criança”, disse em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, 23.

Witzel transformou a coletiva sobre o caso em uma defesa de sua própria política de segurança. Caracterizada por confrontos armados com criminosos, principalmente em comunidades pobres, a ação estimulada pelo governador tem gerado críticas por ter resultado, frequentemente, em mortes de civis. Ele também defendeu a manutenção do excludente de ilicitude no pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro, em tramitação no Congresso Nacional.

O excludente de ilicitude poderá permitir que agentes de segurança não sejam punidos por excessos durante o trabalho. Segundo a proposta, o juiz poderá reduzir a pena pela metade ou até não aplicá-la se estiver convencido de que o agente de segurança que cometeu o excesso estava sob “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”.

Ex-juiz, o governador disse que a tipificação penal atual já é adequada, mas afirmou que a mudança vai tornar a situação mais clara. Witzel afirmou que a morte de Ágatha “foi um caso isolado” e defendeu a política de enfrentamento de seu governo, iniciado em janeiro.

“A política de segurança pública que eu determinei está mostrando resultados favoráveis, está reduzindo os índices de criminalidade, trazendo de volta a paz à população, e nós estamos retomando territórios até então dominados pelo crime organizado”, disse Witzel. “Eles (os secretários de Polícia Civil e Militar) estão apresentando resultados nunca antes alcançados. Estou satisfeito, e não há motivo para que um fato isolado como esse sirva para modificar todo o trabalho realizado”, afirmou. “Nós não temos a menor intenção de parar o que está sendo feito.”

Acompanhado dos secretários da Polícia Militar, Rogério Figueredo, e da Polícia Militar, Marcus Vinicius Braga, Witzel afirmou que a polícia não procura o enfretamento. “Quem cria (confrontos com a polícia) são as organizações criminosas, que querem parar a segurança pública do Rio de Janeiro. Nós não podemos embarcar nessa canoa furada”, disse.

Publicado por: Chico Gregorio


23/09/2019
11:20

17553794 1448700788495651 873523074272701453 n e1569088453798 - Morte da jovem Hemmi Gadelha choca paraibanos: entenda os sinais que podem levar ao suicídio e conheça o 'Setembro Amarelo'

O suicídio da jovem paraibana da família Gadelha, Hemmi Gadelha, chocou o Estado neste final de semana, a Engenharia de Produção tinha apenas 28 anos,  e foi encontrada morta em um Motel do bairro do José Américo, na noite da última sexta-feira. A polícia investiga o caso e suspeita que a jovem tenha cometido suicídio, pois ela deixou cartas a amigos e familiares antes da sua morte.  Ainda não há informações de que a jovem vinha sofrendo de depressão.

O corpo de Hemmi está sendo velado na Central de Velórios Rosa de Saron, no bairro de Jaguaribe. O Enterro acontecerá as 16 horas no cemitério São José, em Cruz das Armas.

Via Polêmica PB

Publicado por: Chico Gregorio


23/09/2019
11:05

Guillermo está preso na Superintendência da Polícia Federal no Ceará e está à disposição da Justiça norte-americana. (Foto: Reprodução)

O colombiano Guillermo Amaya Ñungo, de 55 anos, preso pela Polícia Federal em Fortaleza no dia 17 deste mês, é ex-guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e era procurado pelas autoridades do seu país de origem e dos Estados Unidos. Ele é apontado como chefe de uma organização criminosa especializada no tráfico internacional de drogas.

A prisão ocorreu quando Guillermo chegava a uma escola no Bairro Messejana para buscar a filha adolescente. Policiais federais cumpriram um mandado de prisão para extradição, decretado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) após pedido da Justiça norte-americana

Com ele, foi apreendido um documento de identificação falso, no nome de José Jesus Rodríguez Hernandez, como se apresentava no Brasil.

O chefe da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), delegado Samuel Elânio, relata que a Polícia Federal no Ceará recebeu a informação sobre a suspeita da presença do colombiano uma semana antes da prisão, após investigações da Coordenação de Repressão a Entorpecentes da PF em Brasília e do Drug Enforcement Administration (DEA, ou Órgão para Combate das Drogas, em inglês), do Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

“Nós tínhamos o nome verdadeiro dele e também o falso. Com o nome falso, conseguimos pegar o trânsito dele pelo país, pela via aérea e pela fronteira. Identificamos pessoas que estavam com ele, seja com o nome verdadeiro ou falso, e também deu o direcionamento para onde irmos. Mesmo com o nome falso, ele tinha algumas cautelas”, pontua.

Morada no Brasil
De acordo com o delegado, o colombiano, usando o nome falso, entrou a pé no Brasil pelo município de Pacaraima, em Roraima, na fronteira com a Venezuela. Ao ser interrogado pela PF, o preso disse que estava em Fortaleza há três meses. Ele residia em um duplex de luxo, no Bairro Lagoa Redonda, na companhia da esposa e de duas filhas.

Questionado por que morava no Ceará, ele respondeu que fugiu da Venezuela, onde teria sido sequestrado e extorquido por outros criminosos. O colombiano não explicou como mantinha a vida de alto padrão na capital cearense e alegou que estava com dificuldades financeiras. A investigação identificou que o homem recebia ajuda de outras pessoas no país, principalmente venezuelanos que estão em outros estados brasileiros.

Guillermo está preso na Superintendência da Polícia Federal no Ceará e está à disposição da Justiça norte-americana. A PF instaurou um inquérito para investigar o crime de falsa identidade, que será apurado independentemente da extradição.

Publicado por: Chico Gregorio


23/09/2019
11:00


O Ministro da Educação, Abraham Weintraub, vai estimular as universidades federais a contratarem professores e técnicos pelo regime CLT (de carteira assinada); Hoje eles passam por concurso público e tem direito à estabilidade. A contratação via CLT será exigência para a entrada das universidades no Future-se, novo programa do MEC que vai captar recursos junto iniciativa privada.

É voz geral no MEC que boa parte dos investimentos no ensino superior federal será realizado pelo Future-se.

A adesão das universidades ao Future-se é facultativa, contratos de novos docentes e técnicos serão intermediados por OS (Organizações Sociais), entidades privadas que prestam serviços  públicos  e não precisam seguir as Leis de Licitação e Concursos. embora Weintraub afirme que os servidores das federais vão seguir com estabilidade.

Alto Custo

“Quanto ganha um professor de uma universidade federal? Com dedicação exclusiva, cerca de R$ 15 mil a R$ 20 mil. Quantas horas de aula ele tem que dar? 8 horas”, disse o ministro.

Via Cassiano Arruda .

Publicado por: Chico Gregorio


23/09/2019
10:24

Os argentinos estavam de olho em Cruzeiro x Flamengo, neste sábado, por um motivo em específico. Afinal, o árbitro Raphael Claus, que apitou o jogo no Mineirão, pelo Campeonato Brasileiro, será o mesmo da partida de ida entre River Plate e Boca Juniors, pela semifinal da Libertadores.

O jornal Olé criticou a escolha do brasileiro, considerando o pênalti por ele marcado de Rodrigo Caio em Pedro Rocha na partida que acabou com vitória dos cariocas por 2 a 1. “Marcou um pênalti fantasma”, disse a publicação.

“Os jogadores do Flamengo  protestaram, porque ele nem sequer foi checar a jogada no VAR. em todas as repetições se vê claramente que Pedro Rocha entra na área e se joga no chão.”

O Olé ainda citou o histórico do árbitro brasileiro em jogos de River e Boca para discordar da escolha dele para o clássico argentino.

“A decisão da Conmebol surpreendeu a todos, porque é um árbitro com pouca experiência em partidas determinantes. De fato, nunca comandou um jogo dos Xeneizes e apenas um dos Millonarios”, apontou a publicação.

River e Boca irão se enfrentar no Monumental de Núñez em 1º de outubro (terça-feira), às 21h30 (de Brasília).

ESPN

Publicado por: Chico Gregorio


23/09/2019
10:16

Foi realizado na período de  12 a 22 de setembro, a festa de Nossa Senhora dos Aflitos , padroeira da a cidade de Jardim de Piranhas-RN, sendo encerrada na tarde de ontem com procissão de encerramento, logo após Santa Missa celebrada pelo Bispo Diocesano Dom Antônio Carlos Cruz, concelebrada pelo pároco padre Edson Medeiros.

O padre Edson Medeiros usou as redes sociais para agradecer a  todos  que acessaram a página da paróquia de nossa Senhora dos Aflitos, aos mais de trinta mil que assistiram ao vivo o encerramento da Festa da Mãe dos Aflitos.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, árvore, multidão e atividades ao ar livreA imagem pode conter: 8 pessoas, pessoas no palco, multidão e atividades ao ar livre

Publicado por: Chico Gregorio