25/12/2018
09:08

Chuvas também foram registradas no Vale do Piancó. Veja os índices

Açude de Coremas na manhã desta segunda, 24. (Foto: Grupo Agropecuária)

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER) divulgou nesta segunda-feira, 24, os índices das chuvas deste domingo, 23, em alguns municípios do Vale do Piancó, onde está situado o Complexo Coremas-Mãe d’Água:

  • Boa Ventura: 7,5 mm
  • Catingueira: 16,0 mm
  • Conceição: 18,2 mm
  • Coremas: 10,1 mm
  • Diamante: 17,0mm
  • Emas: 7,1 mm
  • Ibiara: 15,0 mm
  • Pedra Branca: 5,40 mm
  • Santa Inês: 15,30 mm

Via Folha Patoense

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
17:35

“O maior patrimônio que carrego comigo é o de exercer a atividade política com honradez e seriedade. E é isto que levo para o governo do Estado. Valeu a luta, valeu o sonho, valeu a vitória.

Muito obrigada Rio Grande do Norte.

Um Feliz Natal” 💞

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
17:22

O ex-assessor Fabrício Queiroz (dir.) com o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)

Sputnik Brasil – O ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL) Fabrício Queiroz irá depor ao Ministério Público apenas após a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Queiroz foi citado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em relatório por “movimentações atípicas” de R$ 1,2 milhão.

Segundo a revista Veja, Queiroz busca adiar o depoimento em busca de proteção. Ele já faltou duas vezes em depoimentos que deveria prestar ao Ministério Público do Rio de Janeiro — alegando motivos de saúde para justificar sua ausência.

De acordo com o Coaf, a movimentação encontrada entre entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017 é incompatível com a renda de Queiroz. À época, ele era motorista do então deputado estadual Flávio Bolsonaro e tinha salário de R$ 8.517 e também recebia vencimentos da Polícia Militar carioca.

Flávio Bolsonaro foi eleito senador nas eleições deste ano.

O mesmo relatório do Coaf, produzido em desdobramento da operação Lava Jato, também encontrou movimentações atípicas em gabinetes de outros 20 deputados estaduais.

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
12:20

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
12:13

Resultado de imagem para fotos de chuva em nova palmeira -pb

Parelhas (Centro) –………….. 13 mm

Sítio Boqueirão (Parelhas) – 30 mm

Santana do Seridó –………….. 20 mm

Sítio Fortes (Carnaúba dos Dantas) – 18 mm 

Pedra Lavrada (PB) – 100 mm

Nova Palmeira (PB) – 110 mm

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
11:52

Por William Robson Cordeiro

Não há como não relacionar dois episódios emblemáticos envolvendo o judiciário. O desta quarta-feira (19) com o de julho passado. No desta quarta, o ministro Marco Aurélio Mello decidiu libertar presos de segunda instância. Um contra-movimento foi construído logo a seguir para desfazer a decisão. No de julho, o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da Quarta Região, concedeu um habeas-corpus e, tão rápido quanto o primeiro caso, também foi desfeito.

Ambos os momentos têm apenas uma personagem relevante: o presidente Lula, o único condenado à prisão perpétua no Brasil. É bom rememorar alguns pontos de ambos os atos para que se alcance a compreensão.

No caso do Favreto, a concessão do habeas-corpus ocorreu em um domingo, dia que naturalmente apenas os juízes de plantão estão trabalhando.  Ou seja, o desembargador decidiu, tá decidido, né? Não, não é.

O então juiz Sérgio Moro, hoje ministro de um do maiores oponentes do Partido dos Trabalhadores, comia bacalhau ou pastel de Belém em Portugal quando tomou conhecimento da decisão. Embora juiz de primeira instância, passou uma bronca no desembargador e ligou para a delegacia da Polícia Federal onde Lula estava preso. Disse para que a ordem de Favreto não deveria ser cumprida.

De fato, não foi.

A Globo levantou sua brigada de jornalistas-juristas-sem-diploma-de-Direito  para questionar a competência do desembargador do TRF-4. Várias reportagens tentavam colocar sua decisão sob suspeita por ele eventualmente ter sido indicado por Dilma para a vaga ou ter alguma ligação com o PT no passado. Foram horas e horas de desconstrução da vida de Favreto.

No mesmo domingo, o presidente do TRF-4, desembargador Thompson Flores, em seu merecido descanso depois de uma semana de trabalho, também decidiu trabalhar. E à noite chegou, a decisão do Favreto foi levada na maciota até que a ordem de prisão foi definitivamente mantida.

Lula seguiu preso e, depois disso, todo mundo sabe o que aconteceu. Foi neutralizado da corrida presidencial em que venceria no primeiro turno, como apontavam todas as sondagens.

Seis meses se passaram e o ministro Marco Aurélio Mello decide  libertar todos os condenados em segunda instância com recurso pendente de julgamento. 170 mil pessoas ainda injustiçadas seriam beneficiadas. Mas, somente um deles gerou outra balbúrida jurídica.

A brigada da Globo de jornalistas-juristas-sem-diploma-de-Direito se levantou novamente. Desta vez, contra o Melo. A jornalista Eliane Cantanhede chegou a afirmar na Globonews que Mello sempre teve uma admiração por Lula, o que teria motivado sua ação. Advogados convidados ampliaram o coro criticavam a postura de Mello ad infinitum.

Entrevistas e notas só seriam exibidas se confirmassem a hipótese da emissora de que Lula deveria seguir preso. Não havia preocupação com os outros 170 mil. A guerra era contra somente uma única pessoa.

Recheadas de bravatas, preocupações baratas, medo de insurreição nacional, “irritação da sociedade” que só a Cantanhede previria, todo discurso foi possível. Menos concordar com a decisão de Mello. O ódio escorria da boca da bancada de debates de uma única opinião.

Rápido como coice de bode, como dizem os nordestinos, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, tratou de rasgar a decisão do colega de corte. Rasgou e sentou em cima, apenas cinco horas depois. A Justiça levantou as vendas e viu que dos 170 mil, um dos presos que deveria enfrentar ainda todos os recursos para ser declarado culpado, deve ser condenado à prisão perpétua de antemão.

O Partido dos Trabalhadores sempre foi republicano e crente nas instituições. Lula não fugiu, não pediu asilo. Preso, acredita na postura Justiça brasileira, apesar de partidarizada e já escoltada por militares. O assessor do Toffoli é o general Fernando Azevedo com vínculos estreitos com Bolsonaro, Mourão e a cúpula do Exército. O ministro não iria ser inconsequente nesta altura do campeonato.

Toffoli jogou a decisão em colegiado para abril. Lula seguirá preso e o STF sob o olhar militar a partir de janeiro também se vestirá de verde-oliva. E neste dia, será sacramentada a prisão perpétua do maior e mais popular presidente da história.

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
11:35

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
11:24

Chove 138 mm na zona rural de Riacho dos Cavalos e pequenos açudes transbordam

Chuva na região de Riacho dos Cavalos. (Fotos: Reprodução)

Da noite de ontem (domingo, 23) para a manhã desta segunda-feira, 24, choveu em muitos municípios do sertão paraibano.

Na zona urbana de Riacho dos Cavalos choveu 61 mm, mas no Sítio Bom Nome, choveu 138 mm, o que fez com que pequenos açudes sangrassem no município.

Em Cajazeirinhas choveu 9 mm e em Coremas 10 mm.

Em Nazarezinho choveu 6,7 mm.

Em Mato grosso choveu 66, 5 mm.

Em Paulista choveu 65 mm.

Em Lagoa choveu 23,3 mm.

No Assentamento Angélicas, no município de Aparecida, choveu 70 mm.

No Sítio Catolé de Baixo, em Catolé do Rocha, choveu 119 mm.

As informações são da Emater e do DNOCS.

Via folha Patoense.

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
11:19

 

Resultado de imagem para fotos de chuva no manhoso

Após  a aparição do Halo Solar no dia de ontem nos céus do Seridó, a tarde noite de ontem foi de chuvas na região, com forte ventania em Currais Novos, provocando estragos, mas por outro lado trazendo felicidades em comunidades rurais, vejam  registros:

1 – Sítio Alecrim em Serra Negra do Norte…..30 mm

2 – Sítio Piató, em Caicó……………………………..15 mm

3 – Inês Velha em Caicó……………………………….45 mm

4 – Bairro Recreio em Caicó…………………………..15 mm

5 – Sítio Estrema em Jardim Piranhas…………….17 mm

6 – Cordeiro em São João do Sabugi……………….10 mm

7 – Jerusalém em São João……………………………..16 mm

8 – Distrito de Lajinhas …………………………………..10 mm

9 – Timbaúba dos Batistas………………………………..16 mm

10 – Sítio Caeiras em São João ………………………….20 mm

11 – Barra do Sabugi…………………………………………..10 mm

12 – Carapateira em Caicó ………………………………….13 mm

13 – São José do Brejo do Cruz-PB………………………..35 mm

14 – Fazenda Santa Casa Belém do Brejo-PB…………40 mm

15 – Floresta em Serra Negra do Norte………………….20 mm

16 – Brejinho em São João do Sabugi……………………10 mm

 

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
10:59

Feliz Natal! Para você e toda sua família. Que todos juntos festejem o nascimento de Jesus, rodeados de felicidade e harmonia. Que esta época desperte em você os melhores sentimentos e eles venham para ficar no seu coração. Que receba muito amor, carinho e atenção, e esses sejam seus melhores presentes deste ano. Este Natal espalhe sorrisos, ofereça abraços e faça com…

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
06:43

 

Não foi só o Rio Grande do Norte que sofreu efeitos da chuva deste domingo.

No Ceará houve estragos em Fortaleza, e principalmente no litoral, na praia badalada de Jericoacoara.

A enxurrada  na principal rua da praia levou lixo, bancos e o que tinha pela frente para dentro do mar.

Via Thaisa Galvão.

Veja o vídeo:

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
06:39

No município de Riacho de Santana, no Oeste do Rio Grande do Norte, a chuva deste domingo não foi só de granizo.

Foi de vento também.

Olhe o estrago provocado nesta casa:

Via Thaisa Galvão

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
06:33

 

Bolsonaro - Assessoria divulga imagens de Bolsonaro lavando e pendurando roupa no varalO presidente eleito, Jair Bolsonaro, passou o domingo na Restinga da Marambaia, região de praia administrada pelas Forças Armadas.

No início da tarde, a assessoria divulgou fotos de Bolsonaro lavando e pendurando roupas de mergulho no varal. A área militar foi escolhida pelo presidente eleito para passar o Natal com os familiares. Ele deve voltar para casa somente na quarta (26).

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, pendura roupa no varal durante descanso na Restinga da Marambaia, região de praia administrada pelas Forças Armadas – Divulgação /Assessoria
Bolsonaro gosta de divulgar fotos do seu cotidiano. Ele já foi fotografado preparando churrasco para seguranças.

Neste mês, o presidente mostrou a mesa preparada para o café da manhã com John Bolton, assessor de Donald Trump. Em novembro, ele usou uma prancha de bodyboard para improvisar uma mesa durante uma entrevista coletiva na sua casa.

 

Fonte: Estadão

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
06:22

Na última quarta-feira (19), o presidente Michel Temer foi denunciado pela terceira vez pela Procuradoria-Geral da República. Raquel Dodge acusou o emedebista de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no âmbito de um esquema que desviou algo em torno de R$ 32,6 milhões no setor de portos.

Com isso, o atual comandante do país foi tomado pelo medo de ser preso após deixar o Planalto. De acordo com o colunista Josias de Souza, do UOL, o presidente resolveu discutir a situação penal com um pequeno grupo de auxiliares e se mostrou pessimista. Ele acredita que a prisão pode acontecer e os seus interlocutores também.

Neste encontro com os auxiliares, Michel Temer foi aconselhado a passar uma temporada em Portugal, onde tem amigos. Também foi sugerido ao presidente dar aulas na Universidade de Coimbra. No entanto, como revela Josias de Souza, o emedebista não se empolgou com a sugestão de viajar para outro país.

“Vão dizer que estou fugindo. E eu não vou fugir, vou enfrentar”, terá dito o presidente, de acordo com o colunista.

Além da denúncia formulada por Dodge, Michel Temer tem outras duas que foram fundamentadas pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot a partir de delações do grupo JBS. Os casos estão parados na Câmara, mas devem ser retirados do congelador.

Notícias ao Minuto

Publicado por: Chico Gregorio


24/12/2018
06:20

Representantes do setor agrícola e exportadores consideram temerário o plano da futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, de flexibilizar a fiscalização do Estado no processamento de carnes dentro dos frigoríficos. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Tereza Cristina afirmou que pretende acabar com a fiscalização diária feita por servidores e substituí-la por “práticas de autocontrole” adotadas pelos próprios frigoríficos, com auditorias periódicas do governo.

A proposta da ministra foi confirmada pelo futuro secretário executivo da pasta, Marcos Montes.

Segundo o presidente da Associação do Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, o Brasil tem acordos comerciais com vários países que podem ser desfeitos em caso de uma decisão unilateral a respeito da vigilância sanitária, colocando em risco sua liderança no setor.

Castro destaca que, neste mercado, quem diz o que deve ser feito é o comprador.

— É ele quem faz a exigência, e, no caso de não cumprimento, ele não compra.

O Brasil hoje é líder global de exportação de carne bovina e de frango. As receitas com as vendas externas dos dois produtos giram na casa dos US$ 14 bilhões por ano.

Imagem arranhada

O atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, também criticou a proposta. Segundo Blairo, no mercado interno, a medida não teria efeitos. Mas, para as exportações, seria necessário renegociar os certificados fitossanitários com todos os países que compram do Brasil. Além disso, seria preciso mudar leis no Congresso que regulam essas medidas, assim como alterar decretos presidenciais e instruções normativas.

Segundo Maggi, após a fiscalização feita pelo governo brasileiro, os países importadores costumam enviar suas próprias missões para checarem os procedimentos. No caso dos Estados Unidos e da Europa, não é aceito sequer que os ajudantes dos fiscais sejam funcionários das empresas vistoriadas.

Castro, da AEB, destaca ainda que o Brasil não é um exemplo mundial em termos de saúde sanitária. Ao contrário, ficou com a imagem arranhada por causa do escândalo revelado pela operação Carne Fraca, que investigou frigoríficos por irregularidades na documentação sobre o processamento de carnes.

O futuro secretário executivo da pasta, Marcos Montes, disse que a proposta ainda precisa ser discutida com as empresas e com o Ministério de Relações Exteriores. Ele explicou que caberia ao Itamaraty auxiliar nas discussões sobre o novo modelo de fiscalização com os países parceiros.

‘Acreditamos nas empresas’

Montes lembrou ainda que o Estado não eliminaria o trabalho dos fiscais, que continuaria sendo feito antes do abate e, posteriormente, no momento da industrialização e da comercialização dos produtos. O abate em si, observou, é uma atividade interna da empresa e, por isso, não seria necessária a presença constante de fiscais.

Ao ser indagado se a qualidade da carne brasileira não poderá piorar com retirada dos fiscais de dentro das indústrias, ele respondeu:

— Ao contrário. As empresas são a parte mais interessada. Nós acreditamos nos empresários. Conversas terão que existir para que haja confiabilidade entre o governo e o setor privado. Isso é importante para o Brasil se assegurar no mercado internacional.

O Globo

Publicado por: Chico Gregorio