31/05/2019
10:33

O Japonês da Federal bem que tentou, mas não foi dessa vez que conseguiu ver o ex-presidente Lula. Aposentado, Newton Ishii vez uma visita à superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, onde trabalhou.

Com livre acesso, resolveu ir à cela de Lula. Quando estava na escada, foi orientado a não ir até o líder petista. O ex-presidente tinha sido consultado sobre a sua intenção de vê-lo e deixou claro que não queria receber Ishii. Informado, o Japonês deu meia volta e foi embora.

Há três anos, Lula fez uma piada com o nome de Ishii ao ser alvo de uma condução coercitiva, quando abriu a porta de sua casa para a PF. “Cade o japonês?”, perguntou, na ocasião. O agente não integrava aquela equipe.

De O Globo

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
10:17

O presidente Bolsonaro (PSL) recebeu na quinta-feira (30) o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, junto com seu filho, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que é investigado no escândalo Queiroz.

A assessoria de imprensa do governo desconversou, afirmando que a reunião era para a entrega de um convite para o Fórum Nacional das Corregedorias em junho.

Mas não explicou o que o Flávio estava fazendo lá. E outra, na data do Fórum, o presidente estará em viagem ao Japão.

Não custa lembrar que Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) já tentou algumas vezes barrar as investigações sobre as transações financeiras suspeitas de seus ex-assessores, entre eles o Queiroz. Nesta semana, ele propôs a terceira medida judicial contra a investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro.

Vai que faltava um empurrãozinho, não é, papai?

Com informações da Folha de S. Paulo.

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
10:11

A nota em que o Ministério da Educação desautorizou pais, alunos e professores a estimularem e divulgarem protestos contra sua política foi vista como uma declaração de guerra ao setor por políticos experientes que, até a publicação do texto, apostavam no arrefecimento dos atos. Chamada de “tresloucada” e “autoritária”, a medida será questionada e chamou a atenção da PGR. Para Luciano Mariz Maia, vice-procurador-geral da República, ela pode violar o ECA e outros dispositivos legais.

Orlando Silva (PC do B-SP) disse que irá representar contra o ministro Abraham Weintraub (Educação) por abuso de poder, improbidade administrativa e crime de responsabilidade.

Informado sobre o teor da nota, Luciano Mariz Maia disse que o texto permite “extrair o entendimento de que o MEC adota como verdadeira a premissa de que as manifestações são político-partidárias”. A conclusão do documento, diz, afronta a Constituição.

O vice-procurador-geral diz ainda que o texto do MEC viola o artigo 16 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que trata das garantias inerentes ao direito de liberdade.

A nota do ministro chocou movimentos ligados à educação. A avaliação é a de que, embora pregue ser liberal, o governo Jair Bolsonaro indica que acha que cabe ao Estado interferir na relação entre pais e filhos.

O deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), membro da Comissão de Educação, vai levar o caso ao colegiado na próxima semana.

“Abrir canal para aluno denunciar professores significa que ele começou o Escola Sem Partido. Fiquei assustado, não entendi a abordagem e quero saber se é legal”, diz Alencar.

PAINEL / FOLHA

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
10:08

Foto: Ricardo Moraes – 8.set.2018/Reuters

O juiz Bruno Savino, da 3ª Vara Federal de Juiz de Fora (MG), enviou para os responsáveis pela segurança presidencial relato em que Adélio Bispo de Oliveira afirma que pretender matar o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-presidente Michel Temer assim que conseguir liberdade.

Segundo o magistrado, Adélio disse a peritos que os dois fazem parte de uma conspiração para tomar o poder e riquezas do Brasil e entregá-las ao Fundo Monetário Internacional, à maçonaria e à máfia italiana.

Adélio tentou assassinar Bolsonaro com uma facada durante a campanha presidencial, em 6 de setembro do ano passado, na cidade de Juiz de Fora (MG).

A Folha teve acesso à decisão do juiz sobre o caso. Ele conclui que o réu tem transtorno mental e é inimputável —incapaz de entender o caráter de crime que cometeu e, por isso, de responder por seus atos.

Savino decidiu enviar a documentação para o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) para “medidas que entendesse pertinentes”, pois psicólogos e psicanalistas apontaram “alta periculosidade do réu”.

Adélio está preso desde setembro. Ele passou por avaliações de psiquiatras oficiais e indicados pela defesa e pela acusação.

De acordo com trechos da peça judicial, Adélio afirmou que Bolsonaro fazia parte de uma “conspiração da maçonaria para tomar o poder e entregar as riquezas do país ao FMI, aos maçons e à máfia italiana”.

O autor da facada disse ainda que, se eleito, o político mataria “os simpatizantes da esquerda, pobres, pretos, índios quilombolas e homossexuais para que as riquezas do Brasil ficassem apenas com os maçons” e citou uma entrevista em que Bolsonaro falava em “fuzilar petralhas” ou mandá-los para a Venezuela.

Para o juiz, as afirmações sobre matar Bolsonaro e Temer reforçam o diagnóstico de Adélio, demonstrando que ele pouco se importa com o fato de estar encarcerado e com eventuais consequências penais ou processuais de seus atos, o que faz parte de seu transtorno.

Savino diz em sua conclusão que os profissionais que atuaram no feito, tanto os peritos oficiais como os assistentes técnicos das partes, “foram uníssonos em concluir ser o réu portador de Transtorno Delirante Persistente”.

Para tomar a decisão, o juiz traçou um perfil de Adélio, com base nas investigações e nos laudos médicos.

Dos pontos mais importantes, o magistrado destaca que a boa articulação do réu em depoimentos, em vez de afastar a possibilidade da doença, na verdade, confirma o diagnóstico, pelo “comportamento não extravagante ou estranho”.

Adélio era visto como “totalmente isolado”, não falava de seus amigos ou de familiares, de acordo com os trechos da peça judicial.

Ao todo, o autor da facada em Bolsonaro teve quase 40 empregos em cerca de 20 anos de carteira assinada, sendo que em vários lugares não chegou a trabalhar nem por mais de um mês.

Além de trocar muito de ocupação, o réu também se mudou diversas vezes de cidade, não criando vínculo por onde passou.

Ao longo do período de investigação da situação de Adélio, houve uma médica que apontou em laudo a possibilidade de que parte dos sintomas da doença fosse apenas uma simulação, o que foi refutado pelo juiz.

A profissional falava especificamente sobre as alucinações auditivas em que o autor da facada dizia ouvir a voz de de Deus, que lhe teria dado a missão de matar Bolsonaro e salvar o Brasil.

“Não se mostra crível que o réu tenha empreendido um complexo ardil que envolvesse a simulação de sintomas que correspondessem ao critério de diagnóstico para o Transtorno Delirante Persistente”, escreveu Savino.

Um dos pontos citados pelo juiz para a formação de sua convicção é o de que nada foi achado nas buscas policiais indicando ter havido algum planejamento por parte dos advogados para tais simulações.

O magistrado destacou outro ponto que, em sua visão, corrobora o diagnóstico de Adélio.

“Interessante notar que mesmo durante o planejamento do atentado, conduta que poderia ser interpretada como um indicativo de sua plena capacidade de cognição e autodeterminação, o réu demonstrou encontrar-se totalmente enfurnado em sua realidade delirante”.

Segundo a peça judicial, as imagens do celular do autor do atentado contra Bolsonaro comprovam a relação do réu com seus delírios. Ele tinha fotos que faziam referência, o tempo todo, à maçonaria.

“O réu entrelaça em sua certeza psicótica, a um só tempo, delírios místicos-religiosos, políticos-ideológicos, persecutórios e de referência para criar uma interpretação própria e totalmente distorcida da realidade”.

Savino fala em sua decisão que teve dificuldades em encontrar profissionais para atuar no incidente de insanidade, entre outros motivos porque alguns alegaram suspeição, por vínculo profissional ou filiação partidária.

Folha de São Paulo e UOL

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
06:55

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte – IFRN confirmou participação FENECITI 2019. A Feira Regional de Negócios, Ciência, Tecnologia e Inovação reunirá empreendedores e universitários do estado com o propósito de integrar a pesquisa à produção regional, potencializar os negócios e impulsionar o desenvolvimento econômico.

O evento será realizado nos dias 14 e 15 de junho, no Complexo Turístico Ilha de Sant’Ana, em Caicó-RN. A programação contará com apresentação de projetos desenvolvidos pelos campi do IFRN, com destaques para robótica e moda. Estão sendo mobilizadas caravanas de alunos do IFRN no Seridó: Caicó, Currais Novos e Parelhas. A instituição também será parceira do “Desafio Empreendedor para Startup”.

Como inovação, o IFRN apresentará moldes de roupas adequados que foram desenvolvidos para pessoas com deficiências ou que passam por tratamentos especiais, bengala eletrônica e cadeira de rodas com comando especial.

O coordenador do curso de Moda do IFRN Caicó, Edson Bottini, falou que um dos destaques será a apresentação de peças de roupas direcionadas a pessoas que fazem uso de bolsa de colostomia, pessoas com incontinência urinária e mulheres que fizeram mastectomia. “Os alunos desenvolveram uma modelagem em que a bolsa (de colostomia) é colocada dentro da própria calça, além de um sutiã para mulheres que fizeram mastectomia. São peças mais práticas de vestuário, que não sejam aparentes e estão voltadas para a moda”, explicou Bottini.

A FENECITI é uma realização do Governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, FCDL RN e CDL-Caicó e tem o apoio do Sebrae, IFRN, UFRN, UnP e ITEP. Patrocinadores: Governo Federal, Banco do Nordeste, Município de Caicó, Sistema FIERN, Fecomércio RN, Potigás, IPEM, CAERN, JUCERN, Cimentos Mizu e Café Santa Clara.

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
06:53

A senadora Zenaide Maia participou, nesta quinta-feira (30), de audiência pública que discutiu a PEC 65 do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB.

Durante a reunião, a governadora Fátima Bezerra foi uma das debatedoras convidadas, além de outras autoridades. A senadora Zenaide, desde o início dos debates, defende a permanência e a inclusão do FUNDEB na Constituição por considerar o Fundo como o instrumento mais importante de apoio ao ensino básico.

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
06:41

Décimo terceiro
Ainda no dia 31 de maio será depositado o pagamento do décimo terceiro de 2017 para quem recebe até R$ 12 mil. Serão 6.378 beneficiários ou 85,3% do total. E em 28 de junho, recebe quem ganha mais de R$ 12 mil, correspondente a 1.096 beneficiários ou 14,3%.

Todos esses servidores são aposentados e pensionistas e já tinham recebido parcela de R$ 5 mil da gestão passada, quando o Governo iniciou o pagamento escalonado, mas não concluiu a folha, deixando pendentes R$ 30,23 milhões.

Com o acréscimo de R$ 1,7 milhão de correção monetária, o valor chega a quase R$ 32 milhões.
Via Rosalie Arruda.

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
06:38

Resultado de imagem para fotos TCE-RN
Férias Vencidas
Conselheiros e servidores do Tribunal de Contas do RN conseguiram um benefício que poucos órgãos públicos estão cedendo. A conversão de férias vencidas em pecúnia (dinheiro).
Mas, como nem tudo é de graça, a resolução da Corte de Contas impõe limites: “A indenização está limitada às férias vencidas referentes aos períodos aquisitivos que correspondam a até cinco anos que antecedem à data do requerimento”.
Também farão jus o servidor cedido ao TCE e, o do TCE, cedido a outros órgãos.
Nota do redator
O interessante nisso é que há órgãos no executivo onde o servidor perde o direito às férias, se não gozadas em tempo hábil.
Vá entender o direito nesse Brasil!!!!
Via  Rosalie Arruda

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
06:33

Os balanços da União Nacional dos Estudantes e do Portal G1 apontam que até o começo da noite havia registro de manifestações em ao menos 183 cidades de 25 estados e Distrito Federal. A participação foi muito maior que os “protestos” a favor de Bolsonaro no domingo (26)

A manhã desta quinta-feira já começou agitada em diversas cidades do Brasil. Em Salvador, 40 mil pessoas foram às ruas.No Distrito Federal, 30 mil. Dessa vez, municípios com menor número de habitantes também organizaram manifestações, como foi em Araraquara e Tupã, em SP, Luiziânia, em Goiás, Iguatu, no Ceará, entre outras.

“Nossa mobilização segue contra os cortes no orçamento da educação e os ataques à autonomia das universidades. A resposta dos estudantes à falta do diálogo do governo e a forma como trata a educação e a pesquisa está nesse grande movimento nas ruas”, avaliou Marianna Dias, presidenta da UNE.

Pela tarde grandes manifestações acontecem também no Rio de Janeiro,com 100 mil pessoas, São Paulo com quase 250 mil pessoas. Na capital pernambucana, Recife, foram 100 mil pessoas nas ruas. Belém do Pará somou 40 mil pessoas. São Luís do Maranhão levou 30 mil às ruas e Macapá, no norte do país, levou 20 mil.

Curitiba foi um caso à parte. Mesmo com mau tempo e frio, milhares de pessoas se reuniram em frente ao prédio histórico da UFPR para a reinstalação da faixa “Em Defesa da Educação”. Desta vez, foi instalada uma faixa muito maior da que os bolsomínions arrancaram no domingo passado.

Com informações da UNE e do G1.

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
06:32

Manifestação no Rio de janeiro. Foto: Divulgação UNE.

A União Nacional dos Estudantes (UNE) contabiliza 2 milhões que foram às ruas nesta quinta-feira, 30 de maio, contra cortes de verbas da educação e reformas do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Pelo levantamento parcial da entidade estudantil, que organizou os protestos de hoje, 1,3 milhão de pessoas marcharam somente em oito capitais (São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Salvador, Belém e Natal). As manifestações foram foram realizadas em 26 estados e o Distrito Federal

De acordo com a UNE, o 30 de maio foi maior que as manifestações anteriores.

“Hoje os estudantes demonstraram mais uma vez a sua força e disposição de lutar pela educação. Assim como no dia 15 de Maio fomos milhões às ruas, em centenas de cidades e todos estados do Brasil e no Distrito Federal”, diz a entidade, que já iniciou a convocação da greve nacional no dia 14 de junho pela educação e contra a reforma da previdência.

A UNE afirma que São Paulo e Belo Horizonte registraram o maior número de manifestantes nas ruas: 350 mil e 300 mil, respectivamente.

Vídeo incorporado

Publicado por: Chico Gregorio


31/05/2019
06:27

 

Em discurso convenção nacional do DEM, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, insinuou nesta quinta-feira, 30, que o presidente Jair Bolsonaro pode voltar para o partido. Bolsonaro se filiou ao PSL no ano passado para disputar a eleição ao Palácio do Planalto, mas em 2005 chegou a integrar as fileiras do PFL, hoje DEM.

“Temos um ex-filiado do PFL, do DEM, que olha para o nosso partido com imenso respeito e com olho de, quem sabe, querer voltar para casa”, afirmou Onyx. Em conversas reservadas, Bolsonaro já reclamou mais de uma vez dos problemas enfrentados no PSL, que tem uma bancada de novatos no Congresso e muitas vezes atua como oposição ao Palácio do Planalto. Interlocutores do presidente já disseram, em outras ocasiões, que ele avalia a possibilidade de deixar o PSL.

Questionado se havia conversado com Bolsonaro sobre o retorno ao DEM, Onyx abriu um sorriso. “Não. É um sonho meu”, respondeu ele. O presidente já trocou várias vezes de partido, desde o início de sua carreira política, nos anos 80.

Em vários momentos da convenção, que ocorreu em Brasília, Onyx ficou com a voz embargada ao discorrer sobre a trajetória do DEM e disse que Bolsonaro – chamado por ele de “capitão” – foi “o escolhido” por Deus para fazer a “transformação” do País e ser o alicerce de uma aliança “liberal-conservadora”.

“A esperança, na época deles, era vermelha. A nossa é apaixonadamente verde-amarela”, discursou o ministro, em uma referência aos governos do PT. Alvo de críticas por causa da fragilidade da articulação política do governo com o Congresso, o titular da Casa Civil também definiu os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), como “duas bênção que Deus trouxe para ajudar o capitão Bolsonaro”.

Publicado por: Chico Gregorio


30/05/2019
11:33

Câmara aprova pente-fino nos benefícios do INSS

Do Estadão: Câmara dos Deputados aprovou no início da madrugada desta quinta-feira, 30, a medida provisória que determina um pente-fino nos benefícios do INSS. O texto também modifica regras para a concessão de aposentadoria rural, eliminando o papel de sindicatos no cadastro do trabalhador do campo, com o objetivo de coibir fraudes. O secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, e outros membros do…

Leia Mais

Publicado por: Chico Gregorio


30/05/2019
10:44

Circula nas redes sociais foto do jogador de futebol Lionel Messi mostrando uma camiseta com foto do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“É isso aí Messi, sempre fui teu fã e não é a toa”
Imagem publicada no Facebook que, até as 19h do dia 29 de junho, tinha sido compartilhada por mais de 1,8 mil pessoas

FALSO

A foto analisada pela Lupa é uma montagem. A imagem original é de uma partida entre Barcelona e Real Madrid, no dia 10 de março de 2007. Na ocasião, Messi marcou três gols e, nas comemorações, exibiu uma camiseta com os dizeres “fuerza tio”. À época, explicou que dedicou a mensagem um tio que tinha perdido o pai no dia anterior.

Essa montagem foi feita em site especializado em colagens com fotos de celebridades. A mesma foto já foi usada para fotos de Messi “homenageando” Hugo ChavezChe Guevara, a Virgem Maria, o Tibete e até o Real Madrid.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Nathália Afonso

Publicado por: Chico Gregorio


30/05/2019
10:30

Imagem: Renato Costa – 15.maio.2019/Estadão Conteúdo

O MPF (Ministério Público Federal) informou hoje que ajuizou uma ação civil pública na Justiça Federal do Rio Grande do Norte contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e a União por danos morais coletivos. O motivo foram as condutas praticadas pelo titular do MEC desde que assumiu a pasta, em abril, com falas consideradas ofensivas a alunos e professores.

O MPF pede R$ 5 milhões em caso de condenação. O caso será agora analisado pela 10ª Vara Federal de Mossoró.

Apesar de incluir a União, o MPF assegura que há uma “responsabilização direta do ministro, pois, uma vez comprovado o dolo, não há necessidade de demandar unicamente o ente público”.

Na ação, os procuradores citam diversas declarações que seriam preconceituosas do ministro, entre elas estão a declaração dada em entrevista em 30 de abril, quando ele falou que “universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”.

“Vontade discriminatória”

Para o MPF, a fala demonstra “clara vontade discriminatória por parte do réu, pois as universidades inicialmente retaliadas pelo MEC atingiram ótimo desempenho”, diz a ação, com base em rankings de avaliação do ensino superior, como Times Higher Education.

“Sua Excelência classificou o ambiente acadêmico e, portanto, os respectivos estudantes e professores como pessoas afetas a algazarra, confusão, desordem ou tumulto. Perceba-se que a consequência que Sua Excelência atribuiu a eventuais atos que, a seu juízo, configurariam balbúrdia não foi responsabilizar e individualizar os autores, mas sim atingir a todas as universidades com o citado corte de gastos MPF no Rio Grande do Norte.”

Em 20 de maio, o MPF lembra de outro fato e alega que Weintraub, em reunião com reitores e membros da bancada parlamentar do Rio Grande do Norte, propôs que “se chamasse o CA e o DCE” para realização dos serviços. Os CAs (centros acadêmicos) e DCEs (diretórios centrais dos estudantes) são órgãos de representação dos alunos, e para os procuradores, a prestação desses serviços pelos seus integrantes seria ilegal.

“O exercício de atividade de limpeza e manutenção não é compatível com as atividades de ensino, pesquisa e extensão. A proposta parte da premissa inafastável de que, para Sua Excelência, os respectivos alunos são desocupados, não realizando a contento as atividades de ensino, pesquisa e extensão a ponto de ostentarem tempo livre para, ilegalmente, exercerem tarefa que cabe à Administração”, afirma a ação.

Dois dias depois, em uma audiência na Comissão de Educação na Câmara dos Deputados, o MPF lembra que o ministro se recusou a pedir desculpas por usar o termo “balbúrdia” ao se referir às universidades federais. “Eu não tenho problema nenhum em pedir desculpas, mas esse não”, disse.

Com informações do UOL

Publicado por: Chico Gregorio


30/05/2019
07:35

O senador Flávio Bolsonaro tentou pela terceira vez bloquear a investigação que mira seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Via Blog do Dina.

O caso tem algumas dúvidas que são questionamentos que se sobrassem em meio às mudanças e contraposição de versões.

As seguintes perguntas foram listadas em reportagem da Folha:

  1. Quem eram os assessores informais que Queiroz afirma ter remunerado com o salário de outros funcionários do gabinete de Flávio?
  2. Por que o único assessor que prestou depoimento ao Ministério Público do Rio de Janeiro não confirmou esta versão de Queiroz?
  3. Como Flávio desconhecia as atividades de um dos seus principais assessores por dez anos?
  4. Se Flávio possui apenas uma empresa que foi aberta em seu nome, em 2015, como ele obteve R$ 4,2 milhões para comprar dois imóveis de 2012 a 2014?
  5. Por qual motivo Jair Bolsonaro emprestou dinheiro a alguém que costumava movimentar centenas de milhares de reais?
  6. De que forma foi feito esse empréstimo pelo presidente e onde está o comprovante da transação?
    Onde estão os comprovantes da venda e compra de carros alegadas por Queiroz?
  7. Por que há divergência entre as datas do sinal descrita na escritura de permuta de imóveis com o atleta Fábio Guerra e as de depósito em espécie fracionado na conta de Flávio.

Publicado por: Chico Gregorio