14/12/2018
12:23

Resultado de imagem para símbolo da cruz vermelhaO Ministério Público da Paraíba desencadeou, na manhã desta sexta-feira (14), a Operação Calvário com o intuito de investigar uma organização criminosa instaurada na Cruz Vermelha do Brasil, que gere o serviço de saúde no Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa Senador Humberto Lucena. A ação é conjunta com os Ministérios Públicos no Rio de Janeiro e Goiás.

Em João Pessoa um mandado de prisão é cumprido, onde a Cruz Vermelha viria sacando “milhões de reais desde 2011, quando foi instaurada na Paraíba”.

O coordenador do Gaeco na Paraíba, Otávio Paulo Neto, informou que trata-se de um esforço investigativo no qual foi possível divisar inúmeras condutas delituosas praticadas no âmbito de organização criminosa infiltrada na Cruz Vermelha do Brasil – filial do Rio Grande do Sul, dentre outros organismos não  governamentais, incluindo o Órgão Central da Cruz Vermelha no Brasil, a filial no Estado de Sergipe e o Instituto de Psicologia Clínica, Educacional e Profissional.

Conforme apurado no curso das investigações, a organização criminosa infiltrada no órgão é comandada por Daniel Gomes da Silva, ex-dirigente da empresa TOESA SERVICE S/A, que já possui anterior condenação criminal em primeira instância, pelo crime de peculato, em razão de sua empresa ter sido contratada por valores superfaturados para o serviço de manutenção de ambulâncias à Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro.  Operando sob a denominação e o CNPJ destas entidades não governamentais, a organização criminosa  obteve acesso a mais de R$ 1,1 bilhão de reais em recursos públicos, para a gestão de unidades de saúde em outras unidades da Federação.

Além de desviar recursos públicos, a organização criminosa ainda se apropriou indevidamente de recursos privados que haviam sido confiados à ao órgão central a Cruz Vermelha (posteriormente sucedida pela filial da CVB no Estado de Sergipe) pela empresa multinacional HYDRO ALUNORTE3, para gestão de projeto de recuperação de acidente ambiental ocorrido no Município de Barcarena, no Estado do Pará.

Por intermédio desses mecanismos, foram desviados milhões em recursos públicos da saúde, no período entre julho de 2011 e a presente data, sendo certo que tal estimativa é muito inferior ao valor real do dano causado ao patrimônio público, dado que somente foram computadas as despesas da CVB-RS com uma pequena parcela de fornecedores que prestam serviços em unidades de saúde do Município e do Estado do Rio de Janeiro, notadamente não alcançando os desvios de recursos públicos decorrentes da atuação da organização criminosa no Estado da Paraíba, onde a mesma vem auferindo centenas de milhões de reais desde o ano de 2011.

Com informações MaisPB / Portal WSCOM

Publicado por: Chico Gregorio


14/12/2018
12:11

A Gestão Municipal de São José do Seridó pagou o décimo terceiro salário a todos os seus funcionários esta semana. Mesmo diante da grande crise que assola o País, o município de São José do Seridó vem conseguindo pagar os salários dos seus funcionários em dia. Desde que assumiu a pasta, a Prefeita Miúda Góis tem pagado rigorosamente em dia (Sempre no último dia útil de cada mês) os salários aos seus funcionários. No dia 10 de dezembro pagou a todos o décimo terceiro de 2018.

A Prefeita também tem sido bastante elogiada no meio empresarial por nunca atrasar fornecedores e principalmente por conseguir, manter os seus serviços públicos básicos.

Gestão feita com responsabilidade é isso, deixando São José do Seridó cada vez mais Bonita.

Publicado por: Chico Gregorio


14/12/2018
12:02

A governadora petista eleita Fátima Bezerra fez ontem, quinta-feira (13) aos empresários Flávio e Nevaldo Rocha, donos da Riachuelo. Ela foi  acompanhada do vice-governador Antenor Roberto, do suplente de senador Jean-Paul Prates e do diretor do SEBRAE, João Hélio. Fátima postou no Twitter: “Meu governo será pautado pelo diálogo com todos os setores do Rio Grande do Norte. Empresários, trabalhadores, sociedade civil”.

Publicado por: Chico Gregorio


14/12/2018
11:59

Nesta quinta-feira (13), dia que os católicos celebram Santa Luzia, a deputada federal e senadora eleita Zenaide Maia, participou da programação de encerramento da Festa de Santa Luzia, padroeira de Mossoró. Como devota de Santa Luzia, a parlamentar participou da procissão pelas ruas da cidade, saindo do bairro Nova Betânia, com destino a Catedral, no centro da cidade. Durante o…

Publicado por: Chico Gregorio


14/12/2018
11:58

Até a última semana, os 15 mil seguidores do Instagram da personal trainer Nathalia Queiroz, 29, não deviam imaginar que a professora acumulava um cargo no gabinete do deputado federal e presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Nathalia aparece em relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) que identificou movimentações financeiras atípicas do policial militar Fabrício Queiroz, seu pai e ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O caso foi revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Ela foi nomeada secretária parlamentar de Jair Bolsonaro em dezembro de 2016 e exonerada em outubro de 2018, mesmo mês em que seu pai deixou o gabinete de Flávio, na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

Nathalia também trabalhou como assessora do filho do presidente eleito. Em 2007, aos 18 anos, começou a atuar na vice-liderança do PP, de Flávio, onde ficou até fevereiro de 2011. De agosto do mesmo ano até dezembro de 2016, esteve lotada em seu gabinete.

Residente no Rio de Janeiro, as redes sociais de Nathalia giravam em torno de sua atuação como professora de educação física —nas academias cariocas e na praia. Havia registros, inclusive, de aulas com famosos, como os atores Bruno Gagliasso, Bruna Marquezine e Giovanna Lancellotti.

Em foto com Marquezine, vestindo uniforme com os dizeres “personal trainer”, escreveu: “Treino intenso e ainda termina com esse sorrisão!”.

Publicado por: Chico Gregorio


14/12/2018
11:45

Divulgação/ ALRN
Acusação é de abuso de poder político e uso promocional da doação de uma ambulância ao Município de Angicos

O Ministério Público Eleitoral (MPE) no Rio Grande do Norte ajuizou, nesta quinta-feira (13), uma ação de investigação judicial eleitoral (AIJE) contra Ezequiel Ferreira de Souza (atual presidente da Assembleia Legislativa), Rogério Marinho (deputado federal), Deusdete Gomes de Barros e Nataly da Cunha Felipe de Souza, que são prefeito e secretária de Saúde de Angicos, respectivamente.

Segundo o MP Eleitoral, Ezequiel, Deusdete e Nataly fizeram uso promocional da destinação de uma ambulância ao referido município para beneficiar as candidaturas do primeiro e de Rogério Marinho a deputado estadual e federal, respectivamente, no pleito de 2018. Explicou o MP Eleitoral que a Assembleia Legislativa (ALERN), com sobras do seu orçamento de 2016, adquiriu 85 ambulâncias e as doou ao Executivo estadual.

De acordo com a ação, Ezequiel Ferreira, enquanto presidente da ALERN, aproveitou-se do ato para que ele e vários dos demais deputados estaduais aparecessem individualmente perante seus potenciais eleitores em 2018, ao garantir de que cada um deles indicasse o município potiguar –geralmente um “reduto eleitoral” do deputado – para o qual cada ambulância seria destinada. Além disso, houve exploração midiática de cada evento de entrega específica dos veículos.

Nas palavras dos procuradores que assinam a ação, garantiu-se a cada deputado um ‘quinhão’ da doação, com a intenção de propagar no eleitorado a mensagem de que a obtenção de cada ambulância era fruto do esforço, da lembrança e da generosidade pessoal do deputado responsável pela indicação.“Não se tratava do dinheiro arrecadado do povo sendo usado para comprar algo básico para o próprio povo (saúde pública), mas de um ‘agrado’ particular do deputado para com aquela comuna – que a ele deveria ser, portanto, eternamente agradecida, destacam”.

No caso do próprio Ezequiel, ele destinou uma ambulância ao Município de Angicos. E Deusdete Gomes de Barros e Nataly da Cunha Felipe de Souza, prefeito e secretária de Saúde municipais, cuidaram para que a entrega física da ambulância fosse explorada politicamente ao máximo: eles agendaram essa entrega para 29/12/2017, mesmo dia da inauguração da Unidade Básica de Saúde Expedito Eudirço Chimbinha, evento que contou com a entrega simbólica das chaves da ambulância por Ezequiel àqueles gestores locais, discursos emocionados de agradecimento, tendas, benção e oração do pároco local, entre outros atos festivos, tudo com grande cobertura de sites e blogues de internet.

Além disso, prossegue a PRE, no dia 20/09/2018, durante um comício realizado em Angicos/RN em prol das candidaturas de Ezequiel e Rogério Marinho, Deusdete vinculou diretamente a doação daquela ambulância à pessoa de Ezequiel, chegando a mencionar que este “deu um belo presente ao povo” de Angicos.

Outro ilícito eleitoral apontado pelos procuradores teria sido a utilização de recursos públicos da Saúde para pagar o combustível que abasteceu vários dos veículos que participaram da carreata, também ocorrida em 20/09/2018, que antecedeu o comício mencionado no parágrafo anterior. A acusação é lastreada em depoimentos e em documentos fiscais obtidos da Secretaria Estadual de Tributação, que apontam “uma série de abastecimentos fora do horário de expediente dos órgãos públicos”.

A AIJE foi protocolada sob o número 0601618-37.2018.6.20.0000. Havendo procedência da mesma, os acusados ficam sujeitos à multa, à decretação de inelegibilidade por oito anos e, no caso de candidato eleito nas eleições de 2018, à cassação do respectivo diploma.

Via Agora RN

Publicado por: Chico Gregorio


14/12/2018
11:32

O ex-juiz e futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, disse lamentar o fato de ter sido o autor da sentença que condenou o ex-presidente Lula.

“Da minha parte nada tenho contra o ex-presidente. Acho até lamentável que eu, infelizmente, tenha sido o autor da decisão que condenou uma figura pública que tem a sua popularidade e que fez até coisas boas durante sua gestão, mas também erradas”, afirmou durante entrevista ao apresentador José Luiz Datena no programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes.

“Isso no fundo não é um bônus para mim, é um ônus. Mas o fiz cumprindo o meu dever.”, completou o ex-juiz.

Lula foi condenado por Moro, em julho de 2017, a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP).

Em janeiro deste ano, o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) aumentou a pena para 12 anos e um mês de detenção. Depois de negados os recursos da defesa, Moro determinou a prisão do petista. Lula se entregou à Polícia Federal em 7 de abril e continua preso na Superintendência da PF, em Curitiba.

A defesa de Lula já entrou com vários de liberdade junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) e STJ (Superior Tribunal de Justiça) alegando atuação política de Moro no julgamento do ex-presidente. Um dos recursos teve análise suspensa pela Segunda Turma do Supremo, no último dia 4, e não tem data para ser retomado

O ex-juiz negou perseguição a um determinado grupo político e afirmou que a Lava Jato atingiu representantes de diferentes partidos.

“Essa alegação de que a Justiça foi parcial nesses casos ignora que por desdobramento da Lava Jato vários outros personagens políticos da oposição também respondem a investigações e acusações sérias perante outros fóruns”.

Moro diz que aceitou o convite do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), para assumir a pasta da Justiça com o objetivo de realizar um bom trabalho no combate à corrupção e à violência. E que tal atividade, mesmo com elementos políticos, é diferente da política ligada aos partidos.

“Não me vejo ingressando na política partidária, sem nenhum demérito aos que ingressaram. Na minha visão ainda sou um técnico que está indo para uma posição que tem um encargo político, mas para fazer um trabalho específico”, afirmou Moro.

A entrevista teve tom de conversa entre amigos, com vários elogios de Datena ao futuro ministro. O apresentou se referiu a Moro como um homem “corajoso” e que “não vive um personagem”

FOLHAPRESS

Publicado por: Chico Gregorio


14/12/2018
11:25

Cerca de 3.000 candidatos que se inscreveram no programa Mais Médicos ainda não se apresentaram nos municípios para os quais foram alocados. O prazo para que comecem a trabalhar termina nesta sexta (14). Foram abertas no total 8.517 vagas.

CADEIRA 2 

Os dados foram apresentados nesta quinta (13) para a comissão tripartite que acompanha o programa. Ela é composta por representantes dos municípios, dos estados e da União.

SUSPENSE 

Uma segunda questão aflige os gestores: boa parte dos mais de 4.000 médicos brasileiros que já se apresentaram no trabalho pode deixar os cargos a partir de março, quando começam as residências médicas do país.

OBA! 

O alto número de inscritos na primeira etapa do edital aberto para substituir os médicos cubanos chegou a entusiasmar Jair Bolsonaro. Ele chegou a dizer, no Twitter, que “quase 100% das vagas [dos cubanos] já foram preenchidas por brasileiros”.

OPS! 

Até agora, 60% delas foram de fato preenchidas.

MÔNICA BERGAMO

Publicado por: Chico Gregorio


14/12/2018
11:20

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou nesta quinta-feira, 13, o senador José Agripino Maia (DEM/RN) por peculato e associação criminosa ao liderar um esquema que desviou R$ 590,6 mil do Senado Federal por meio de pagamentos a um funcionário fantasma. Também foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) o vereador de Campo Redondo (RN) Victor Neves Wanderley e o servidor público aposentado Raimundo Alves Maia Junior.

A denúncia mostra que Agripino Maia nomeou Victor Neves Wanderley em 11 de março de 2009 para assumir o cargo de assistente parlamentar no Senado Federal. Wanderley, no entanto, não exerceu de fato a função entre março de 2009 e março de 2016, segundo a denúncia. “Foi um funcionário fantasma designado para implementar o desvio e a apropriação ilícita de R$ 590.633,43, para serem distribuídos entre os denunciados”, escreveu Raquel Dodge. Nesses sete anos, Wanderley trabalhou em uma farmácia que pertencia a seu tio.

A acusação narra que Wanderley manteve-se vinculado à associação criminosa, aceitando nomeações fictícias que o tornaram um funcionário fantasma que não prestava serviços públicos mas era remunerado por eles. A seguir, diz a denúncia, Wanderley transferia o salário que recebia para Raimundo Maia, que realmente prestava serviços ao senador Agripino Maia.

“No período de 11 de março de 2009 a 20 de março de 2016, de sete anos, Victor Neves Wanderley recebeu do Senado Federal remuneração, sem nunca ter trabalhado em qualquer função para a qual foi nomeado. A seguir, cumprindo seu papel no esquema criminoso ora denunciado e atuando em unidade de desígnio com os outros dois denunciados, repassou a maior parte destes valores para Raimundo Alves Maia Junior e uma parte foi transferido para o Senador Agripino Maia”, diz a denúncia.

Dos R$ 590,6 mil desviados entre 2010 e 2015, ao menos R$ 460,9 mil, cerca de 78%, foram repassados para Raimundo Maia, sua esposa, filha e filho. Do total, R$ 433,8 mil foram repassados por Wanderley para a conta de Raimundo por meio de transferência bancária; R$ 6,2 mil foram repassados por Wanderley para Ester Emerenciano Maia, esposa de Raimundo Maia; R$ 19,8 mil foram repassados por Wanderley para Gabriel Emerenciano Maia, filha de Raimundo Maia; e R$ 1,1 mil foram repassados por Wanderley para Marcelo Augusto Emerenciano Maia, filho de Raimundo Maia.

A Secretaria de Gestão de Pessoas do Senado Federal informou que Wanderley tem residência em Natal e as investigações mostraram que ele nunca residiu em Brasília. Os investigadores solicitaram então que companhias aéreas apresentassem os registros de viagens de Wanderley entre Natal (RN) e Brasília de 2009 a 2015, mas nenhum foi encontrado.

Em 2010, quando já recebia valores desviados do Senado, Wanderley foi preso em flagrante por crime contra a saúde pública. À autoridade policial, declarou que trabalhava como gerente na Farmácia A. A. Souza Wanderley, de propriedade de seu tio Adriano Alberto de Souza Wanderley. “Assim, Victor Neves Wanderley foi gerente da empresa do tio no período em que esteve formalmente vinculado ao Senado Federal. No Senado, se efetivamente a cumprisse, sua jornada de trabalho seria de 40 horas semanais regulamentares. Na Assembleia Legislativa do RN, outras 40 horas semanais.”

Entre março de 2013 e janeiro de 2016, período em que recebeu remuneração por supostamente trabalhar no Senado, Wanderley foi auxiliar de escritório na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, ocupando cargo em comissão no gabinete do deputado estadual Agrido Alves.

Aos investigadores, Wanderley confessou que, durante três anos, recebeu sua remuneração estadual mensal de R$ 2.201,72 sem nunca ter trabalhado na Assembleia Legislativa. “Que por volta de 2010, o depoente solicitou uma ajuda ao Deputado Estadual AGNELO ALVES; o qual nomeou o depoente para uma função na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte; Que o depoente nunca foi na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, apesar de receber a remuneração correspondente; Que a situação perdurou até o final de 2015 ou início de 2016”, mostra o depoimento.

Do Estadão

Publicado por: Chico Gregorio


13/12/2018
12:33

Resultado de imagem para fotos do deputado fernando mineiro

O parecer do Ministério Público Federal sobre o recursos de Kerinho(PDT) referente à anulação do seus votos foi pelo desprovimento da ação. O vice-procurador federal Humberto Jaques de Medeiros, que assinou o parecer do MPF, argumentou que, com a falha do sistema eletrônico, o então candidato deveria ter apresentado os documentos quando foi intimado pela Justiça eleitoral e não compareceu. Só tomou providências após seus votos serem indeferidos. Portanto, fora do prazo.

Via Robson Pires.

Publicado por: Chico Gregorio


13/12/2018
12:18

Via Esmael Morais.

Se o Congresso Nacional levar a cabo a proposta do ex-juiz e futuro ministro da Justiça Sérgio Moro, o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que vá colocando a barba de molho desde já.  

Leia mais

Publicado por: Chico Gregorio


13/12/2018
12:11

247- O deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO), que relatou o impeachment de Dilma Rousseff, foi pego em um esquema de fraudes em uma operação da Polícia federal; a Operação registro Espúrio desbaratou um esquema de desvios de verba pública no Ministério do Trabalho que chegou à cifra de R$ 13 milhões; além de Jovair, foram denunciados os deputados federais Cristiane Brasil (PTB-RJ), Nelson Marquezelli (PTB-SP), Wilson Filho (PT-PB) e Paulo Pereira da Silva (SDD-SP), o Paulinho da Força

Publicado por: Chico Gregorio


13/12/2018
12:03

Relator do orçamento do Estado para 2019, o deputado estadual Fernando Mineiro (PT) disse que, após conversas com representantes dos Poderes, conseguiu “chegar numa redução de 10% do que o Executivo teria que repassar para eles ano que vem”. “Isso dá R$ 673 milhões a menos que o Executivo passaria ano que vem ”, informou. Antes de participar da reunião…

Publicado por: Chico Gregorio


13/12/2018
11:54

A cidade de Natal é a capital do país com o pior desempenho na Escala Brasil Transparente (EBT) que avalia a transparência dos estados e municípios brasileiros. A capital potiguar obteve nota 5,59, enquanto a média das capitais brasileiras foi 8,08. Os dados foram divulgados pela Controladoria Geral da União nessa quarta-feira (12).

A Escala Brasil Transparente busca verificar o grau de cumprimento de dispositivos da Lei de Acesso à Informação (LAI) e de outros normativos sobre transparência nos Estados e no Distrito Federal, além de todos os municípios com mais de 50 mil habitantes, incluindo as capitais (com base nas estimativas do IBGE em 2017). No total, foram avaliados 691 entes federativos – universo que abrange quase 70% da população brasileira.

Das capitais, 93% possuem nota maior que 6, sendo que oito delas (30%) estão entre 9 e 10: Vitória (ES), Recife (PE), Curitiba (PR), Campo Grande (MS), Porto Velho (RO), Maceió (AL), Brasília (DF) e Cuiabá (MT). Com relação aos demais entes avaliados, 340 municípios (51% do total) conseguiram nota superior a 6 pontos.

Municípios do RN

No Rio Grande do Norte oito municípios foram avaliados, incluindo a capital. Dentre elas, a cidade de Assu foi a que obteve a melhor nota: 6,36. Em seguida vem Natal com 5,59; Mossoró, 5,32; Caicó, 5,23; Parnamirim, 5; Macaíba, 4,44; São Gonçalo do Amarante, 4,26; e Ceará-Mirim, 3,86.

Ranking por estados

A EBT – Avaliação 360° revelou que 22 estados e o Distrito Federal (85% das UF) tiveram nota acima de 7. Das capitais, 93% possuem nota maior que 6, sendo que oito delas (30%) estão entre 9 e 10: Vitória (ES), Recife (PE), Curitiba (PR), Campo Grande (MS), Porto Velho (RO), Maceió (AL), Brasília (DF) e Cuiabá (MT). Com relação aos demais entes avaliados, 340 municípios (51% do total) conseguiram nota superior a 6 pontos.

O Rio Grande do Norte obteve nota 8,8 e ficou na sétima posição. A média dos estados do país foi de 7,94.

Portal no Ar

Publicado por: Chico Gregorio


13/12/2018
11:40

 

Deputado delegado Waldir, líder do PSL na Câmara dos Deputados. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil (Crédito: )

Deputado delegado Waldir, líder do PSL na Câmara dos Deputados. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O deputado Delegado Waldir, líder do PSL na Câmara dos Deputados falou, nesta quinta-feira (13), em entrevista à CBN, sobre a investigação em torno do ex-assessor Fabrício Queiroz. Ele afirmou que Flávio Bolsonaro não está sendo investigado e que “nem toda movimentação irregular é ilícita”. “Nós não temos medo da verdade. […] Ninguém se nega a falar, isso vai ser esclarecido com certeza”, garantiu.

Ao ser questionado sobre os seus esforços para tentar impedir a aprovação das pautas-bomba, o deputado mostrou descontentamento por ter sido o único da base a estar presente para tentar barrar as votações: “Não tinha base, não. Tinha o Delegado Waldir sozinho contra os partidos da base do governo Temer”.

O político do PSL afirmou que o ministro da Fazenda Eduardo Guardia irá pedir para Temer vetar essas pautas. “Minha solidariedade a ele, que é um defensor das contas públicas”. Delegado Waldir não poupou críticas aos presidentes da Câmara e do Senado, e disse que os dois “falaram um monte de asneiras”.

O político do PSL foi enfático ao afirmar que Eunício Oliveira estava blefando quando disse que, caso haja veto de Temer, ele irá derrubar o veto ainda este ano. “Ele não dá conta de unir o Congresso. Acabou a carreira dele. Ele tem que se preocupar com a Lava-jato agora”, disse Waldir.

Via Jornal da CBN – Entrevista

Publicado por: Chico Gregorio