13/08/2019
11:59

Imagem relacionada

Uma polêmica foi criada na cidade seridoense de Jardim do seridó, quando o prefeito  Amazan Silva, publicou uma licitação para asfaltamento das principais ruas e avenidas do centro,  que atualmente  são calcadas com  paralelepípede.  O processo licitatório foi suspenso  a pedido do  Ministério Público, para que seja avaliado os impactos provocados por uma eventual obra de asfaltamento.  Se for proibido, a cidade  fica  passa a ser uma exceção da grande maioria das cidades brasileiras, onde as ruas e avenidas do centro da cidade são asfaltadas, melhorando as condições de tráfico para os motoristas e motoqueiros, inclusive além da obra de asfaltamento, o processo licitatório inclui toda a sinalização horizontal e vertical. Um ideia seria uma consulta aos moradores do centro da cidade para saber o que eles preferem.

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
11:22

Após ocuparem o prédio do Ministério da Saúde  ontem, contra o desmonte das políticas para os povos indígenas, cerca de 1.500 lideranças, representantes de 100 povos, participam nesta manhã da “Marcha das Mulheres Indígenas”, que tem como lema “Território: nosso corpo, nosso espírito”.

(Foto: Mídia NINJA/Douglas Freitas/Cobertura Colaborativa)

247 – Após ocuparem o prédio do Ministério da Saúde  ontem, contra o desmonte das políticas para os povos indígenas, cerca de 1.500 lideranças participam nesta manhã da  “Marcha das Mulheres Indígenas”, que tem como lema: “Território: nosso corpo, nosso espírito”.

Elas se posicionaram contra a municipalização e a privatização do atendimento à saúde.

Maura Arapiun, uma das coordenadoras da Marcha das Mulheres, defende que “os povos indígenas sejam ouvidos antes de qualquer alteração no modelo de assistência”, como noticiou a Agência Brasil.

A Marcha das Mulheres Indígenas segue até quarta-feira (14) com debates, atos, shows e caminhadas pelas ruas de Brasília.

 

 

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
11:17

Defesa do ex-presidente Lula ingressou na madrugada desta terça-feira com um Habeas Corpus no STF, pedindo, com base  nas revelações da Vaza Jato, a nulidade dos processos da Operação Lava Jato, a imediata liberdade do ex-presidente e a suspensão de todos os processos em andamento. Os advogados também pedem que os procuradores membros da Lava Jato sejam declarados todos suspeitos, com base nos diálogos que mantiveram e nas ações decorrentes dessa conversas, agora reveladas pela Vaza Jato

247 – A defesa do ex-presidente Lula ingressou na madrugada desta terça-feira com um Habeas Corpus no STF, pedindo, com base com base nas revelações da Vaza Jato, a nulidade dos processo da Operação Lava Jato contra Lula, a imediata liberdade do ex-presidente, a suspensão de todos os processos em andamento. Os advogados de Lula pedem ao STF que os procuradores membros da Lava Jato sejam declarados todos suspeitos, com base nos diálogos que mantiveram e nas ações decorrentes desses diálogos, agora revelados pela Vaza Jato. Além disso, foi solicitado ao STF o compartilhamento de todas as mensagens em poder da Corte.

Na ação, a defesa alega que Lula foi submetido a “constrangimento ilegal agravado por acórdão do STJ que deixou de reconhecer a manifesta suspeição de procuradores da República que participaram da ação penal proposta contra o Paciente” e reitera a “suspeição de procuradores da República afirmada pela Defesa Técnica do Paciente desde a primeira manifestação nos autos da ação penal em referência”, em outubro de 2016.

“Fatos comprovados (prova pré-constituída) e que foram reforçados, dentre outras coisas, por revelações do portal The Intercept e por outros veículos de imprensa. Indevida escolha da jurisdição mais favorável à condenação do Paciente. Procuradores da República aceitaram atuar coordenados por juiz-acusador (HC 164.493/PR) com o objetivo de promover a condenação do Paciente a qualquer custo”, ressalta o pedido de habeas corpus.

Para a defesa, “houve desprezo às provas de inocência, além de parcial e interessada condução do feito”, além do “aniquilamento da garantia constitucional da presunção de inocência por diversos atos que envolveram desde investidas contra pessoas para incriminar o Paciente, a realização da “Coletiva do PowerPoint”, até a realização de diversas entrevistas durante o processo que colocaram o Paciente na condição de culpado”.

A defesa também pediu para que o ministro Alexandre de Moraes determine o compartilhamento das mensagens trocadas entre integrantes da Lava Jato e que foram apreendidas pelos supostos hackers presos durante a Operação Spoofing. Segundo o advogado Cristiano Zanin, que atua na defesa de Lula, “é incontroverso na jurisprudência do STF que provas, mesmo que ilícitas, podem ser usadas na defesa de acusados”. “Não discutimos se essas provas podem ou não ser usadas para condenação dos procuradores, mas é inegável, do ponto de vista jurídico, que se aplicam para inocentar os envolvidos nos processos”,  disse ao blog do jornalista Tales Faria.

Leia a íntegra do pedido de habeas Corpus.

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
11:06

Tabata Amaral

Da Folha:

A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) decidiu mexer na estrutura de seu gabinete. Duas funcionárias que haviam sido contratadas após processo seletivo foram dispensadas pela coordenadora do mandato, Laiz Soares, no estacionamento do anexo 4 da Câmara. As cenas foram presenciadas por servidores da Casa.

Segundo o Painel apurou, Tabata mexeu na assessoria parlamentar e de comunicação. A ideia é imprimir ritmo mais frenético de divulgação de aspectos não só políticos, mas também pessoais da rotina e do passado da deputada.

(…)

 

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
11:00

PUBLICADO NO BLOG DE MOISÉS MENDES

 

Deltan Dallagnol, o procurador sem escrúpulos, vai cair antes de Sergio Moro. Cai hoje, porque o Conselho Nacional do Ministério Público, por mais contaminado que esteja pelo espírito corporativo, não é um órgão da corporação. Dallagnol não será julgado só pelos amigos.

Mas, considerando-se a hipótese de que pode escapar, que sejamos livres de ler argumentos com desculpas furadas. Que os conselheiros que julgarão Dallagnol não nos subestimem com conversas enrolativas.

Se for, Dallagnol terá sido o primeiro lavajatista a ser comido. A força-tarefa de Curitiba seguirá em frente sem ele, o que só amplia sua situação de desterrado.

Mas a punição do procurador não basta. Sergio Moro também deveria ser submetido à avaliação de um grupo de notáveis, nos moldes do conselho que julga o procurador.

E, olhando-se a composição do conselho do MP e do Conselho Nacional de Justiça, nota-se que o segundo parece ser mais corporativo. Mas Moro não é mais juiz. O que nos livra de um julgamento funcional e de uma possível frustração.

Se não há uma questão administrativa a ser posta para Moro, que desempenha agora uma função política (ele diz que é técnica), resta então o julgamento da suspeição pelo Supremo, levantada pela defesa de Lula.

Moro não tem cargo a perder na magistratura, porque desistiu da carreira para ajudar Bolsonaro. Então, que seja julgado pelo que foi e fez na Lava-Jato, não para que seja punido, por enquanto. Mas que o punido e encarcerado por ele, num conluio armado com os procuradores, tenha sua condenação anulada e seja libertado.

A provável suspensão de Dallagnol, que pode resultar em seu posterior afastamento definitivo do MP (ou ele ainda terá condições de acusar alguém?), somente será completa se o seu chefe na Lava-Jato também se submeter mais adiante, depois do julgamento da suspeição pelo Supremo, às leis que, diziam eles, são para todos.

Moro deve ser julgado como chefe de fato de Dallagnol. O subordinado não pode encarar sozinho os delitos cometidos na maioria das vezes por ordem do seu líder.

Moro induzia Dallagnol até mesmo a investir na carreira de palestras bem pagas. Tudo ou quase tudo que o procurador fez na Lava-Jato teve uma ordem ou a inspiração do ex-juiz.

Moro não pode ficar impune. Sua situação, mais do que uma questão administrativa (se ainda fosse servidor do Judiciário), pode configurar um caso criminal. Mas, como o homem era intocável, parece que ainda faltar alguém com coragem para enquadrá-lo no momento certo.

Via DCM

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
10:46

Nesta terça-feira (13), estudantes, professores e trabalhadores em geral estão indo às ruas protestar contra os desmandos do governo Bolsonaro. Os cortes no orçamento da educação, o projeto Future-se e a “reforma” da previdência estão no centro da pauta.

hashtag #Tsunami13Agosto já está no topo do Twitter, comentando e divulgando as manifestações.

Via Esmael  Morais,

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
07:22

O PT quer saber por que o então juiz Sérgio Moro protegeu o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB-RJ), ao não apreender seus aparelhos celulares no momento de sua prisão

“Qual o interesse de Sérgio Moro em proteger Eduardo Cunha?”, questionou o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS).

Reportagem do site BuzzFeed News, novo parceiro do Intercept, revelou nesta segunda-feira (12) que Moro “duelou” com o procurador Deltan Dallagnol visando demovê-lo da ideia de apreender os celulares do emedebista.

Deltan – Queríamos falar sobre a apreensão dos celulares. Consideramos importante, teríamos que pedir hoje.

Moro – Não acho que é uma boa.

Os diálogos entre Moro e Deltan ocorreram no dia 16 de outubro de 2016, um dia antes da prisão de Cunha.

O BuzzFeed registra que a decisão de não apreender os celulares de Cunha, que já não tinha mais foro privilegiado desde setembro de 2016, destoa do padrão da Lava Jato.

“Saíram dos celulares de executivos de empreiteiras, por exemplo, muitas anotações e mensagens que embasaram investigações.”

Moro e Deltan não se pronunciaram sobre a nova #VazaJato ou sobre a acusação do PT, de que Cunha foi protegido pela Lava Jato.

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), fez questão de comparar o tratamento VIP que Cunha recebeu do juiz.

“Para Eduardo Cunha, Moro liberou telefones e inocentou sua mulher. Com Lula apreendeu até tablet do neto e bloqueou bens de Dona Marisa. Mais uma vez está ficando claro como o ex-juiz agiu com pesos e medidas diferentes no comando da Lava Jato”, diferencia a dirigente petista.

O jornalista norte-americano Glenn Greenwald, fundador do Intercept, ainda recordou que Moro instruiu seus subalternos na Lava Jato a não aceitar uma delação premiada de Cunha. “… mostramos que as mensagens mostram que ele [Moro] mandou Deltan [a] não pedir a apreensão dos celulares usados por Cunha.”

Via Esmael Morais.

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
07:03

DP1 - Se tirar radar de velocidade, mais gente vai morrer, dizem especialistas

Especialistas em segurança no trânsito criticaram a decisão do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de retirar ou diminuir os radares das Brs, para eles os números de acidentes e mortes irão aumentar significavelmente.

“É uma decisão equivocada grave e que é oposto dos exemplos internacionais, que é o de uma penalidade mais severa”, diz Eduardo Biavati, especializado em educação e segurança no trânsito. “Nós precisamos manter uma fiscalização eletrônica, não há outra maneira conhecida na humanidade de controlar a velocidade –e quase a metade das mortes nas rodovias tem relação direta com a velocidade.”

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
06:57

A lesão rompeu a artéria cardíaca, o que causou hemorragia. O exame toxicológico ainda não foi concluído pela perícia.

“A causa da morte realmente foi lesões corporais que levaram ao trauma cardíaco que levou a vitima a óbito. “, contou o diretor (Foto: Reprodução)

O diretor do Instituto Técnico-Científico de Perícia do Rio Grande do Norte (Itep), Marcos Brandão, confirmou a causa da morte do torcedor Eduardo Feliciano, morto neste sábado (11), após confusão envolvendo a torcida organizada e as forças policiais, na partida entre o Botafogo-PB e o Globo pela Série C do Brasileiro, no Estádio Barrettão, em Ceará-Mirim, no Rio Grande do Norte.

“Na necrópsia foi verificado que o coração tinha uma laceração muito grande que levou a uma parada cardíaca. A causa da morte realmente foi lesões corporais que levaram ao trauma cardíaco que levou a vitima a óbito. Foram solicitados outros exames complementares, exames de dosagem alcoólica, toxicológicos para verificar se realmente existem indícios que a vitima tinha usado droga, a quantidade dessa droga para verificar a circunstância que aconteceu  essa situação de lesão corporal. Então todos exames quando saírem os resultados, demora um pouco, vai para laboratório, mas quando tiver esses resultados se fecha todas as circunstância  que foram determinantes para ocasionar a morte da vitima, mas de modo imediato, pelo laudo necroscópico se pode determinar realmente que foram lesões corporais que provocaram essa ruptura dos músculo cardíaco”.

A lesão rompeu a artéria cardíaca, o que causou hemorragia. O exame toxicológico ainda não foi concluído pela perícia.

O Itep tem 30 dias para a conclusão do laudo que vai apurar se Eduardo Feliciano havia feito uso de drogas e álcool, mas já derrubou a primeira informação que a morte teria sido provocada por overdose.

Via ClickPB

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
06:50

Resultado de imagem para fotos Check-up Vascular acontece sábado com atendimento gratuito

Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, regional Rio Grande do Norte – SBACV/RN realiza no próximo sábado (17), no pátio interno do shopping Via Direta, o  Check-up Vascular. A campanha faz parte da comemoração ao Dia do Cirurgião Vascular (15 de agosto) e promove atendimento gratuito à população, com distribuição de 800 fichas, além de palestras sobre doenças vasculares, a partir das 8h.

Enfermidades como tromboembolismo venoso (TEV); estenose de carótida – sendo ela uma das causas mais frequentes para o Acidente Vascular Cerebral (AVC); aneurisma da aorta; varizes e doença arterial periférica serão abordadas durante o evento. “Alertar a população a respeito das principais doenças circulatórias e a importância de ser acompanhado por um médico especialista na área é um dos objetivos da ação”, comenta Dra. Liana Berúcia, presidente da SBACV/RN.

Medidas preventivas como parar de fumar, reduzir estresse, adotar uma dieta equilibrada com menos gordura, sal e açúcar, evitar bebidas alcoólicas, praticar exercícios físicos regularmente e realizar exames periódicos são algumas das precauções indicadas.

A ação envolve médicos angiologistas, cirurgiões vasculares e residentes da especialidade para promover atendimentos em prol da prevenção, detectando características que advirtam situações de risco e que acometam o sistema cardiovascular. Neste ano, a campanha conta também com 15 boxespara atendimento, 30 residentes na triagem e parceria com a Marinha do Brasil para auxiliar na organização. Com apoio institucional da FQM|Farma, Venosan – meias compressivas e realização da SBACV/RN.

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
06:42

The Intercept Brasil

@TheInterceptBr

Os procuradores da Lava Jato se parabenizaram pelo papel deles mesmos e de um grupo manobrado por @deltanmd pela derrota de @renancalheiros no Senado. “É graças à nossa equipe e a muitos brasileiros corajosos que tomaram postura, como o MUDE”.

Ver imagem no Twitter

The Intercept Brasil

“Vc ajudou a derrubar Renan”, parabenizou o procurador @vladimiraras, falando com @deltanmd num chat privado. “Moro ficou feliz”, garantiu Aras, referindo-se ao ministro @SF_moro.

Ver imagem no Twitter

As novas mensagens divulgadas nesta segunda-feira (12) de supostos diálogos entre integrantes da Lava Jato mostram que os procuradores comemoraram a derrota de Renan Calheiros na disputa pela Presidência do Senado Federal.

Em uma das mensagens interceptadas no dia das eleições, os procuradores chegam a contabilizar os votos que elegeram o senador Davi Alcolumbre.

O procurador Vladimir Aras, segundo as mensagens, chegou a mencionar o ministro Sérgio Moro afirmando que ele tinha ficado feliz com o resultado.

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
06:37

O pagamento do auxílio-saúde para os servidores aposentados da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) está mantido pelo Governo do Estado. Em reunião na tarde desta segunda-feira (12), com a presença da governadora Fátima Bezerra, ficou definido que representantes do Instituto de Previdência do RN (Ipern) e da Universidade do Estado do RN (Uern) se reunirão nesta terça-feira (13) para fazer os ajustes contábeis que são necessários para adequação legal.

O auxílio-saúde foi instituído pela lei estadual nº 608/2017 para os servidores da Uern, mas o artigo 5º do dispositivo legal pontua que o pagamento do auxílio deve ser feito a partir do orçamento da Fundação Universidade do Estado do RN (Fuern) e não pelo Ipern.

O acerto orçamentário para o pagamento do auxílio será feito entre a direção da instituição de ensino e o Instituto de Previdência, que vinha pagando o auxílio. ”Nós asseguramos a autonomia da UERN e garantimos o pagamento da verba. O servidor pode ficar tranquilo, que nenhum direito será retirado”, explicou a governadora Fátima Bezerra.

Orçamento

Durante o encontro discutiu-se também a questão orçamentária da Universidade do Estado. Os dados do Governo apontam que os pagamentos e empenhos orçamentários da Uern entre janeiro e julho deste ano foram maiores do que no mesmo período em 2018.

O valor pago até julho 2019, por exemplo, foi de R$ 104,2 milhões, enquanto que no ano anterior o montante foi de R$ 78 milhões. Com relação ao valor empenhado, a proporção é semelhante: R$ 133 milhões em 2019 e R$ 122,7 milhões em 2018.

O Governo garantiu ainda o repasse mensal de R$ 1,5 milhão para o custeio da Universidade, além de R$ 1 milhão destinado exclusivamente para finalizar a obra do campus da Zona Norte de Natal, que tem previsão de conclusão até 2020. Os recursos serão complementados com a destinação de aproximadamente R$ 11 milhões do Fundo Estadual de Combate à Pobreza (Fecop) para a Uern até 2023.

A equipe do Governo destacou a garantia de R$ 3,6 milhões em investimentos para a Uern, que são contrapartidas dos contingenciamentos realizados pelo Governo Federal nas emendas destinadas pela bancada federal potiguar à instituição.

Via BG

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
06:31

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, segurou por mais de 120 dias investigações sobre o presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao mesmo tempo em que articulava a recondução ao cargo de chefe do Ministério Público Federal por mais dois anos.

Somente na última terça-feira (6), Dodge desengavetou os papéis e os mandou de volta para a primeira instância. Desde o início da semana passada, seu nome perdeu força na disputa para seguir no posto.

Um dos casos em apuração é o de Wal do Açaí. Moradora de Angra dos Reis (RJ), Walderice Conceição atuou como funcionária fantasma na época em que o hoje presidente era deputado federal, conforme revelou a Folha.

O outro caso envolve Nathalia Queiroz, que estava ligada ao gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara ao mesmo tempo em que atuava como personal trainer, situação também revelada pela Folha. Ela é filha de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) que se tornou estopim de investigações contra o filho do presidente.

A assessoria de imprensa da PGR (Procuradoria-Geral da República) diz que a análise dos papéis respeitou a fila, sem dar privilégio por se tratar de uma autoridade, e que Dodge só soube dos procedimentos dois dias antes de mandá-los de volta para a primeira instância.

A indicação do nome do novo titular da PGR deve ser feita ainda nesta semana por Bolsonaro. A nomeação é considerada pelo governo como uma das mais importantes do mandato —cabe a ele conduzir eventuais ações contra o presidente da República.

O inquérito sobre a situação de  Wal do Açaí foi aberto na primeira instância pela Procuradoria Regional do Distrito Federal, em setembro do ano passado, e enviado para a PGR no início de abril deste ano.

Folha solicitou acesso ao caso, por ter chegado à PGR sem sigilo. Em dois pedidos diferentes, a Procuradoria descumpriu o prazo previsto na Lei de Acesso à Informação, de 20 dias para responder, prorrogável por mais 10. Em um deles, a resposta demorou quase dois meses e, no outro, levou 40 dias.

A resposta dada pela PGR, fora do prazo, foi de que seria necessária a apresentação de procuração para ter acesso aos autos, sem dar detalhes de que procurações seriam aceitas.

A reportagem telefonou para o serviço de Atendimento ao Cidadão, que respondeu que seria necessária procuração dos advogados das partes, mas sem saber explicar o motivo nem dizer se o tema era sigiloso.

Os procuradores responsáveis enviaram os procedimentos a Dodge sob o argumento de que havia apuração criminal em andamento e não seria “recomendável” a continuidade na esfera cível por terem “idênticos objetos” (ou seja, por se tratar do mesmo tema).

Dodge respondeu apenas na semana passada, quando seu nome já havia perdido força para ser indicado por Bolsonaro. Ela então assinou documento dizendo não haver justificativa para que a primeira instância declinasse tal atribuição em relação às investigações.

Ela disse ainda ter havido uma “inversão de valores constitucionais” pelo procurador quanto à suspensão temporária dos procedimentos cíveis.

No final, ela determinou a devolução dos autos para a Procuradoria Regional do Distrito Federal, para continuidade das investigações.

Na primeira instância, foram realizadas algumas diligências e colhidos alguns depoimentos, inclusive o de Walderice Conceição. Ela não informou quais trabalhos teria feito para Bolsonaro.

Folha revelou em janeiro de 2018 que o então deputado usou dinheiro da Câmara para pagar o salário da assessora, que vendia açaí na praia e prestava serviços particulares a ele em Angra dos Reis, onde tem casa de veraneio.

A reportagem voltou ao local em 13 de agosto e comprou com a secretária parlamentar de Bolsonaro um açaí e um cupuaçu, em horário de expediente da Câmara. Após esta segunda visita da Folha, a secretária parlamentar foi exonerada.

Desde a primeira reportagem, publicada em 11 de janeiro do ano passado, Bolsonaro deu diferentes e conflitantes versões sobre a assessora para tentar negar a atuação dela como fantasma, todas elas não condizentes com a realidade.

A outra apuração que ficou nas mãos de Dodge durante esse tempo, sem andamento, foi o de mais uma funcionária do gabinete dele na Câmara, Nathalia Queiroz.

Como mostrou a Folha, ela atuava como personal trainer no mesmo período em que trabalhava para Jair Bolsonaro, de dezembro de 2016 a outubro de 2018.

Ainda assim, o gabinete do então deputado atestou frequência total de sua ex-assessora, conforme resposta obtida pela Lei de Acesso. Nesse procedimento, que foi aberto alguns meses depois do de Wal do Açaí, ainda não houve nenhuma diligência realizada até o momento e é considerado embrionário.

Agora, os dois casos poderão seguir em investigação na esfera cível —que apura o cometimento de improbidade administrativa.

Procurada, a PGR afirmou que o material foi enviado na terça-feira (6) de volta para a primeira instância e que “seguindo o rito normal de funcionamento do setor, os procedimentos foram inicialmente classificados considerando o grau de urgência e prioridade e após entraram na ordem de análise, considerando a existência de outros casos que já aguardavam análise”.

A assessoria de imprensa ainda confirmou que o caso não está sob sigilo, mas que “a rotina da secretaria é a de não disponibilizar a terceiros dados e informações de procedimentos que podem gerar investigação antes da respectiva análise”.

FOLHAPRESS

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
06:29

Um dia após sair vencedor das eleições primárias, o candidato de oposição à Presidência da Argentina, Alberto Fernández, respondeu nesta segunda-feira (12) às críticas feitas contra ele pelo presidente Jair Bolsonaro e chamou o brasileiro de racista e misógino.

Fernández, que tem como vice em sua chapa a ex-mandatária Cristina Kirchner, surpreendeu ao vencer a disputa primária com 47% dos votos, uma vantagem de quase 15 pontos sobre o segundo colocado, Mauricio Macri, que tem apoio declarado de Bolsonaro.

Em entrevista ao programa de TV argentino Corea del Centro, o oposicionista disse que o presidente brasileiro é um “um racista, um misógino e um violento que é a favor da tortura”. E acrescentou: “que alguém assim fale mal de mim é algo que eu celebro”.

O argentino defendeu ainda o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e afirmou que gostaria de dizer a Bolsonaro que “Lula deveria estar livre para poder concorrer a uma eleição com ele”.

Fernández citou ainda o ministro da Justiça, Sergio Moro: “como posso acreditar na sentença de um juiz que depois vira ministro do candidato que era rival de Lula?”.

O argentino visitou no início da julho o ex-presidente brasileiro na prisão em Curitiba. O petista é um aliado histórico dos kirchneristas.

As chamadas “paso” (primárias abertas, simultâneas e obrigatórias) foram criadas em 2009, com a intenção de diminuir o número de candidaturas que concorriam na eleição.

As chapas que obtêm menos de 1,5% dos votos nessa etapa não podem concorrer no primeiro turno, marcado para 27 de outubro. Já o segundo turno, se necessário, será em 24 de novembro.

As primárias funcionam, assim, como uma prévia, mostrando quanto de apoio cada candidato tem. Caso os números se repitam na eleição de fato, no fim de outubro, Fernández seria eleito em primeiro turno —para isso, ele precisa ter mais de 45% dos votos ou mais de 40% e no mínimo 10 pontos percentuais de vantagem para o segundo colocado.

Mais cedo, Bolsonaro (PSL) tinha lamentado a vitória da oposição nas primárias argentinas e afirmado que o Rio Grande do Sul pode se transformar em Roraima caso Cristina Kirchner, vice na chapa liderada por Alberto Fernadéz, volte ao poder, comparando a Venezuela de Maduro à Argentina.

“Não esqueçam que, mais ao Sul, na Argentina, o que aconteceu nas eleições de ontem. A turma da Cristina Kirchner, que é a mesma de Dilma Rousseff, que é a mesma de Hugo Chávez, de Fidel Castro, deram sinal de vida aqui. Povo gaúcho, se essa esquerdalha voltar aqui na Argentina, nós poderemos ter no Rio Grande do Sul um novo estado de Roraima”, disse ao público de convidados e de apoiadores.

“Vocês [gaúchos] podem correr o risco de, ao ter uma catástrofe econômica lá, como teve na Venezuela, ter uma invasão da Argentina aqui. Não queremos isso para nossos irmãos”, afirmou, ao ser questionado por jornalistas ao final de um evento em Pelotas (RS).

Roraima vem recebendo número crescente de venezuelanos que fogem do país em função da crise econômica, que se arrasta desde 2015 e não dá sinais de arrefecimento. Existem mais de 30 mil cidadãos do país vizinho vivendo em Roraima, um estado de 576 mil habitantes, de acordo com o IBGE. O governo diz que o estado abriga ao menos 40 milvenezuelanos.

VIA FOLHAPRESS

Publicado por: Chico Gregorio


13/08/2019
06:26

A Vital Engenharia, empresa contratada para fazer a coleta de lixo das zonas Leste e Sul de Natal, suspendeu as atividades na capital potiguar. O motivo para a paralisação, de acordo com a terceirizada, são atrasos de três meses em repasses de valores que deveriam ser feitos pela Prefeitura de Natal. A coleta no fim de semana ficou prejudicada e a Urbana prometeu uma solução para o início desta semana.

A Urbana informou que o atraso no repasse é decorrente dos impactos na arrecadação do município. Como a Vital Engenharia Ambiental não realizou o pagamento dos servidores na data prevista, os funcionários decidiram paralisar as atividades. De acordo com a assessoria da Urbana, no entanto, o repasse do mês de junho para a empresa deve ocorrer ainda nesta terça-feira (13) e o de julho nos próximos dias.

Por nota, a Vital Engenharia afirmou que a ‘constante inadimplência’ causou um grave problema financeiro na gestão do contrato com a Prefeitura e afirmou que vinha alertando a administração pública sobre a necessidade de receber ao menos um dos pagamentos até o dia 5 de cada mês, o que não aconteceu.

No fim de semana, devido à paralisação, vários pontos ficaram com lixo acumulado, inclusive a avenida Prudente de Morais, uma das mais importantes de Natal, como constatou a reportagem na manhã de ontem. Para retirar o lixo acumulado, a Urbana disse que vai deslocar funcionários da autarquia para esses pontos e para realizar a coleta até que o impasse com a Vital seja solucionado.

Os funcionários da Vital vão se reunir em assembleia e com a empresa para tratar sobre o assunto. Nem a Urbana nem a empresa informaram o valor total dos repasses que estão em atraso.
VIA TRIBUNA DO NORTE

Publicado por: Chico Gregorio