30/03/2020
08:41

 

A cidade de Alexandria, no Oeste do Rio Grande do Norte, não tem casos confirmados de coronavírus, mas a Prefeitura está fazendo a prevenção.

E a segunda-feira começou com técnicos da saúde fazendo desinfecção das ruas com hipoclorito de sódio.

O trabalho começou pelas ruas centrais, com maior fluxo de pessoas.

Thaisa Galvão.

Publicado por: Chico Gregorio


30/03/2020
08:13

O número de mortes pelo novo coronavírus no Brasil chegou a 136 neste domingo, 29, um crescimento de 19% em relação ao dia anterior. Em números absolutos, foram 22 óbitos decorrentes da doença no período. Com isso, a taxa de mortalidade passou de 2,9% para 3,2%.Já os casos de covid-19 no País passaram para 4.256. Foram 353 novas confirmações neste domingo, um aumento de 9%. Os dados foram divulgados em balanço feito diariamente pelo Ministério da Saúde, que recebe informações das secretarias de saúde estaduais

O Estado com o maior número de casos continua sendo São Paulo (1 451), seguido por Rio de Janeiro (600), Ceará (348), Distrito Federal (289), Minas Gerais (231) e Rio Grande do Sul (226). No sábado, 28, o balanço inicial foi de 111 casos, mas logo em seguida o ministério informou que a contagem estava errada e divulgou o número correto: 114.

Publicado por: Chico Gregorio


30/03/2020
08:09

Bolsonaro disse que é preciso atenção para o impacto da pandemia na economia. (Foto: Reprodução)

Na volta do passeio que fez às localidades ao redor de Brasília, neste domingo (29), o presidente Jair Bolsonaro voltou a se posicionar contra o isolamento social mais geral, defendido por autoridades de saúde do mundo inteiro. Defendeu apenas o isolamento de idosos e de grupos de risco. Usando seu linguajar costumeiro, disse que é preciso poupar vidas, mas que todos vão morrer um dia. E que é preciso atenção para o impacto da pandemia na economia.

“Temos um problema do vírus? Temos. Ninguém nega isso daí. Devemos tomar os devidos cuidados com os mais velhos, com as pessoas do grupo de risco. Agora, o emprego é essencial.”

“Essa é uma realidade, o vírus ‘tá aí. Vamos ter que enfrentá-lo, mas enfrentar como homem, porra. Não como um moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade. É a vida. Todos nós iremos morrer um dia. Queremos poupar a vida? Queremos. Na parte da economia, o Paulo Guedes ‘tá gastando dezenas de bilhões de reais, que é do Orçamento, que é dinheiro do povo, se bem que nem dinheiro é. Pegamos autorização do Congresso para estourar o teto, que vai ser paga essa conta lá na frente.”

O presidente justificou seu passeio alegando que foi conhecer as necessidades do povo. Disse que não anunciou sua visita previamente, mas não comentou o fato de que a simples presença de um presidente atrai aglomerações, condenadas pelas autoridades de saúde porque aumentam a chance de contágio.

“Hoje é domingo, tem pouca gente na rua. Agora, eu não marquei nada em lugar nenhum. Foi tudo de forma inopinada. Vamos lá. Entra aqui, para aqui, já ‘tava o povo lá dentro. Eu não juntei ninguém. ‘Ah, junta aí, vamos fazer um oba-oba’. Nada disso. Fui reconhecido. Não teve nenhum grito por parte da população.”

Bolsonaro afirmou que é contra o isolamento mais geral porque os trabalhadores precisam ganhar o seu sustento. Mas, em outra parte, lembrou que o governo e a Câmara aprovaram uma ajuda de R$ 600 por três meses a ser paga aos informais, limitada a dois membros de cada família. Não comentou o que especialistas vêm dizendo: que, se essa ajuda é considerada insuficiente, cabe apenas a ele, presidente, aumentá-la de forma emergencial, como chefes de estado de todo o mundo vêm fazendo.

“Nós vai (sic) condenar esse cara a ir pra dentro de casa? Ficar dentro de casa, ele não tem poupança, não tem renda. A geladeira dele, se tiver, já acabou a comida, porque tem que trabalhar. Tem que sustentar a família. Tem que cuidar dos seus filhos”.

“Temos um problema mais sério no momento. Essas pessoas informais, que nunca tiveram voz em lugar nenhum, tiveram agora que arranjar R$ 600 para eles”.

As autoridades sanitárias do mundo inteiro defendem que todos os que puderem fiquem em casa para diminuir os riscos de quem tem de trabalhar, como aqueles de setores essenciais, como saúde, transportes e fábricas, entre outros. Bolsonaro, porém, insiste num isolamento mais restrito, apenas de idosos e doentes crônicos. E deu um argumento, no mínimo, polêmico e sem comprovação estatística:

“Tem mulher apanhando em casa. Por que isso? Em casa que falta pão, todos brigam e ninguém tem razão. Como é que acaba com isso? O cara quer trabalhar, meu Deus do céu. É crime trabalhar?”

Publicado por: Chico Gregorio


30/03/2020
08:00

É VIP o circuito que conta a chegada do coronavírus ao Brasil por meio de viajantes a bordo de jatinhos ou em voos internacionais de primeira classe ou executiva.

A disseminação da Covid-19 em terras brasileiras passa por eventos sociais em points do litoral baiano, como Trancoso e Itacaré, e no tradicional Country Club do Rio de Janeiro.

“O vírus foi trazido por uma elite viajada, veio de fora e se propagou muito rápido em nossos círculos”, diz uma sócia do clube, que pede para não ser identificada.

Ela retornou de Paris em 27 de fevereiro, e concordou em dar entrevista à Folha, desde que não fosse identificada. Entrou para o rol dos estimados 60 associados do Country que receberam resultado positivo do teste para coronavírus nas últimas duas semanas.

Uma sequência de eventos da alta sociedade levou à espiral de contágios entre membros de algumas das mais abastadas famílias brasileiras.

Um deles foi o noivado do príncipe dom Pedro Alberto de Orleans e Bragança, 31, e Alessandra Fragoso Pires, 26, na casa dos pais do noivo, na Gávea, para 70 seletos convidados, em 7 de março.

O mapa da pandemia da Covid-19 estava bem representado no almoço que reuniu membros da família imperial, recém-chegados da Europa, como os próprios pais do noivo.

O príncipe dom Alberto e a paisagista Maritza de Orleans e Bragança estiveram em Londres, e confraternizaram com amigos vindos da Bélgica e Itália.

Publicado por: Chico Gregorio


30/03/2020
07:50

O Estado de São Paulo chega, neste domingo (29), à contabilização de 98 mortes relacionadas à Covid-19. Já há 1.451 casos confirmados da doença no estado.

De acordo com o balanço feito pela Secretaria da Saúde, estão morrendo em média 7,5 pessoas por dia desde que o primeiro óbito foi registrado, no dia 17 de março.

Em um intervalo similar, de 13 dias, a China teve uma média diária de 1,3 óbitos, de acordo com o levantamento feito pelo governo.

“A primeira morte no país asiático ocorreu em 11 de janeiro. No dia 23 daquele mês, a China contabilizava 17 mortes. Nesse período de treze dias, o país também saltou de 41 para 571 casos confirmados”, diz o balanço.

Os 14 novos óbitos contabilizados neste domingo (29) são de pessoas atendidas na rede particular.

A maioria deles, 13, ocorreu na capital paulista. Uma das mortes, de um homem de 89 anos, foi em São Bernardo do Campo.

Na capital morreram cinco mulheres (71, 84, 84, 87 e 90 anos), seis homens idosos (60, 67, 79, 76, 63, 83) e dois jovens de 26 e 33 anos, em fase de investigação sobre eventuais comorbidades e histórico clínico.

Até o meio desta semana, apenas a Capital paulista registrava óbitos relacionados à Covid-19. Agora, os municípios de Vargem Grande Paulista, Guarulhos, Taboão da Serra, Embu das Artes, Sorocaba, São Bernardo do Campo e Ribeirão Preto também contabilizam pelo menos um óbito.

Mônica Bergamo

Publicado por: Chico Gregorio


30/03/2020
07:45

Aliados do ministro Luiz Henrique Mandetta preveem uma escalada dos conflitos com o presidente Jair Bolsonaro, mas têm pedido “cautela” e que o comandante da Saúde resista no cargo. A avaliação é de que os próximos 15 dias serão determinantes para mostrar quem está certo: se o ministro da Saúde ou o presidente da República.

Pessoas próximas a Mandetta disseram ao GLOBO que, durante a semana, o ministro chegou a classificar a situação como “insustentável”. Conselheiros, então, entre os quais o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), reforçaram os apelos para ele “aguente o tranco” e “toque o barco”. A avaliação unânime levada a Mandetta é a de que, hoje, os brasileiros confiam no ministro e precisam do trabalho que ele tem desempenhado.

Os próximos 15 dias são considerados cruciais. Se a população seguir as orientações de Bolsonaro e voltar às ruas, abrindo caminho para o aumento de mortes por conta da Covid-19, Mandetta pode ganhar fôlego, avalia o entorno do ministro.

Segundo relatos, Mandetta foi à reunião ministerial no Palácio do Alvorada, no sábado, com o objetivo de saber se Bolsonaro continuaria lhe dando carta branca e liberdade para seguir defendendo medidas baseadas na ciência e na medicina. Do contrário, não teria condições de permanecer à frente do ministério.

O movimento de Mandetta, de acordo com aliados, foi respaldado por seus principais auxiliares no Ministério da Saúde, o secretário-executivo da pasta, João Gabbardo dos Reis, e o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Kleber de Oliveira.

A resposta, dizem aliados, veio com a coletiva à imprensa de Mandetta no próprio sábado, em que o ministro reafirmou a defesa do isolamento social, repudiou a versão de que a hidroxicloroquina é a cura para doença e criticou os atos pela reabertura do comércio pelo país.

Neste domingo, Bolsonaro decidiu sair do Palácio da Alvorada para o que chamou de tour “aleatório” pelo Distrito Federal. O presidente parou em vários pontos da cidade, entre comércios abertos e locais de ambulantes, para cumprimentar apoiadores.

A visita do presidente a locais com concentração de pessoas foi vista como mais um gesto para desautorizar Mandetta. A aliados, no entanto, o ministro da Saúde indicou que seguirá usando as entrevistas coletivas à imprensa para reforçar recomendações técnicas.

A mudança de postura do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também é apontada como importante sinal de isolamento de Bolsonaro. Neste domingo, ele pediu para a população americana ficar em casa até 30 de abril. A diretriz anterior era de encerrar o isolamento na Páscoa, no dia 12.

O GLOBO

Publicado por: Chico Gregorio


30/03/2020
07:43

O Rio Grande do Norte recebeu 168 mil novas doses de vacina contra Influeza para dar continuidade à campanha de vacinação iniciada no último dia 23. A campanha teve grande adesão no Estado, esgotando as doses disponíveis do primeiro lote em apenas três dias na capital potiguar. De acordo com a coordenação de imunização da Secretaria do Estado de Saúde Pública (Sesap), já foi concluída a distribuição entre as Regionais de Saúde do RN, que agora devem enviá-las aos respectivos postos e unidades de saúde que vão oferecer a vacinação. A previsão da Sesap é que a vacinação seja retomada na terça-feira.

Até o dia 25 de março, o RN havia recebido duas das 14 remessas previstas de vacinas, totalizando 275.080 doses, 22,6% da quantidade total a ser recebida até o fim da camapanha, programada para o dia 22 de maio. Apesar do esgotamento de um lote de vacinas, a campanha permanece em sua primeira fase, tendo idosos e profissionais de saúde como público alvo.

A previsão é de que 1.108.180 pessoas sejam vacinadas no RIo Grande do Norte. Ao todo, o Estado deve receber 1.214.800 doses da vacina até o fim da campanha, o que garante a vacinação de 100% do público-alvo e suprem possíveis perdas técnicas de doses no processo.

TRIBUNA DO NORTE

Publicado por: Chico Gregorio


30/03/2020
07:41

Inaugurada no ano de 2010, a Barragem Poço do Marruá, localizada no município de Patos do Piauí, distante a cerca de 416 km da capital Teresina, transbordou pela terceira vez em cerca de 10 anos de história do segundo maior reservatório de água do estado do Piauí. A Barragem Poço do Marruá acumulou um grande volume de água das chuvas…

Publicado por: Chico Gregorio


30/03/2020
07:36

Sítio Mocambo (Foto: Messias Cézar – arquivo Folha Patoense)

Na noite de ontem (domingo, 29) e madrugada desta segunda-feira, 30, choveu forte em Patos, principalmente na zona rural.

Veja os índices divulgados pelo líder comunitário Messias Cézar:

Sítio Serrota: 80 mm

Sítio Enjeitado: 110 mm

Campo Comprido: 70 mm

Mocambo de Baixo: 100 mm

Mocambo do Meio: 80 mm

Mocambo de Cima 80 mm

Folha Patoense

Publicado por: Chico Gregorio


29/03/2020
09:42

Mesmo com poucas chuvas no dia de ontem no Vale do Piancó, o rio que deságua no acude de  de Coremas permanece com grande volume de água no dia de hoje, 29 de março.

Publicado por: Chico Gregorio


29/03/2020
09:25

A Secretária Municipal de Saúde de Caicó, a técnica Débora Costa, usou as redes sociais para fazer uma apelo dramático a população de região, para permaneçam  em isolamento social. Débora chamou à atenção para o foto da região ainda não ter  nenhum caso confirmado  Covid-19, isso não significa que não existe casos positivos ainda,  pois muitos exames que foram solicitados de vários pacientes com suspeitas, ainda não tiveram resultados divulgados, Um fato que chamou a atenção, foi a secretária informar que o Hospital do Regional esta´quase lotado, e que a Unidade hospitalar dispõe de apenas 21 respiradores, Veja abaixo a postagem de Débora Costa:

“Gente a situação não ta melhorando, a situação não tá sob controle. O fato de não termos nenhum caso positivo em Caicó ainda, não quer dizer que NÃO TEMOS CASOS POSITIVOS !!
Deixa eu explicar: Estamos aguardando muitos resultados de exames e tá demorando muito estes resultados serem dados pelo LACEN , então já podemos ter dezenas de casos positivos em Caicó , entenderam a gravidade da situação?
O nosso Hospital estar lotado de pacientes com suspeita para Convid19 , já estamos com quase 100% dos leitos ocupados ( só lembrando que muitos destes leitos também encontra-se ocupados por outros problemas).
Gente só temos 21 respiradores para toda a população de Caicó e região, vcs tem noção da gravidade desse dado ??
Não estou com esse post querendo criar pânico na nossa população, estou querendo alertar , colocar vocês a par da situação que estamos enfrentando e pedir para vocês nos ajudar! Como ?? É simples! FIQUEM EM CASA!! SEGUREM SEUS PAIS EM CASA !! TODO MUNDO EM CASA!!
Vc precisa sair pra trabalhar? Se proteja e no retorno pra seu lar proteja quem em casa ficou .
Gente ainda não é o momento de sair a rua sem ter algo urgente pra fazer, o momento é de FICAR EM CASA!!
Todos os dias surgem dezenas de casos suspeitos e nós que fazemos a Saúde de Caicó e da região do Seridó estamos de verdade muitos preocupados, não temos estruturas pra receber e curar todo mundo dentro dos nossos serviços, infelizmente só a nossa força de vontade não será suficiente.
A situação é muito séria, requer muito cuidado de todos .
Nesse momento a nossa orientação é só uma : FUQUE EM CASA!!

Publicado por: Chico Gregorio


29/03/2020
09:00

General Mourão começou o ano de 2020 no “aquecimento” político, pronto para a missão de assumir a Presidência da República.

Já foi dito aqui e alhures que vice é uma carreira próspera no Brasil. Dito isto, o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão (PRTB), entrou em 2020 no aquecimento. Ele concedeu entrevista à Folha e S. Paulo, neste domingo (29), na qual critica a falta de coordenação em ações finais contra a pandemia de coronavírus.

O vice disse que há individualismo no combate ao vírus, fulanização e rotulagem quando o sujeito ou é de direita ou de esquerda. “Nós temos de buscar o meio termo e a igualdade”, pregou o general de 66 anos.

Mourão opinou sobre a falta de coordenação final na luta contra a COVID-19 no contexto da desavença havida entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e os governadores de estados.

O vice-presidente da República defendeu um modelo de isolamento social, de quarentena, que não seja oito nem oitenta.

Sobre o fato de Bolsonaro esconder o resultado do exame para o coronavírus, general Mourão pediu um voto de confiança para o presidente da República. Segundo o vice, seria o pior dos mundos o presidente chegar dizer que deu negativo e depois aparecer que deu positivo.

Acerca do filho do presidente, Carlos Bolsonaro, o Carluxo, ter sentado na mesa com ministros, Mourão minimizou: “sentou, mas não abriu a boca.”

Aliás, foi Hamilton Mourão quem chamou de “Bananinha” a outra cria do presidente, Eduardo Bolsonaro, na crise diplomática com a China. O “Zero Três” havia acusado o país asiático de espalhar o coronavírus com o intuito de dominar o mundo.

Na entrevista à Folha, o vice-presidente da República discorreu ainda sobre as polêmicas declarações de Bolsonaro, tais como a “gripezinha” e ataques à mídia. Mourão saiu pela tangente em todas as respostas, mostrando que já está em pleno aquecimento.

Vice no Brasil é um cargo bastante promissor.

Publicado por: Chico Gregorio


29/03/2020
08:49

O secretários estaduais de Saúde divulgaram uma carta à nação brasileira reafirmando que seguirão as normas técnicas e defendendo “irrestritamente as medidas sanitárias adotadas pelas unidades federativas do paíspois não se pautam por cores partidárias ou de qualquer outra natureza, e sim por critérios técnicos e científicos observados ao redor do planeta”.

Ao lembrar o arrependimento do prefeito de Milão Giuseppe Sala depois de 5.402 mortes nos últimos 30 dias, os gestores afirmaram que “arrependimento tardio não recupera vidas perdidas”.

O secretário de Saúde do Rio Grande do Norte Cipriano Maia destacou a importância dos Estados manterem o isolamento social neste momento:

“A carta dos secretários de saúde do Brasil expressa um consenso dos gestores do SUS quanto às necessidades de mantermos as medidas de distanciamento social e de proteção das pessoas mais vulneráveis e demonstra ser imperativo a manutenção da unidade na condução do enfrentamento da pandemia para evitar desorientação nas pessoas”, disse o secretário.

Carta à nação

Os Secretários Estaduais de Saúde, reunidos no Conass, se apresentam diante da sociedade brasileira para manifestar o que segue:

O Conass, em seus 38 anos de existência, sempre se colocou ao lado do povo brasileiro e na defesa de seu direito à saúde e à vida.

Esta é nossa missão e nosso compromisso. Não faltaremos ao povo brasileiro neste momento de grave ameaça à saúde e à vida de todos.

Pronunciamentos e orientações conflitantes das autoridades sobre medidas restritivas adotadas no enfrentamento do coronavírus geram intranquilidade e insegurança.

Diante disso, manifestamos nossa posição oficial sobre a matéria e defendemos a condução técnica das medidas de combate pelos profissionais do Ministério da Saúde, em alinhamento e harmonia com os gestores estaduais e municipais de saúde do país.

Publicado por: Chico Gregorio


29/03/2020
08:41

Jornal O Mossoroense – Jornal centenário de Mossoró. Órgão de ...
A Secretaria de Saúde do Rio Grande do Norte confirmou, no final da noite deste sábado (28), o primeiro óbito pelo novo coronavírus no estado.
A vítima é o professor universitário Dr. Luiz Di Souza, 61 anos, lotado no Departamento de Química, da Faculdade de Ciências Exatas e Naturais da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN).
Ele tinha histórico de diabetes, e que teve confirmação do diagnóstico para Covid-19 na última sexta-feira (27).
Com informações do G1RN

Publicado por: Chico Gregorio


29/03/2020
08:35

O complexo Coremas-Mãe dÁgua superou neste sábado, 28, a casa de 450 milhões de metros cúbicos de água, segundo dados informações atualizadas pela Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba-AESA.

As fortes chuvas ocorridas em todo o Vale do Piancó, mudou não só a paisagem dos municípios da região, como também a realidade hídrica do complexo, que no início do ano tinha pouco mais de 90 milhões acumulados em sua bacia, e amanheceu esta quinta-feira, 26, com mais de 395 milhões e 400mil m³ acumulados e continua recebendo um volume significativo de água, trazido pelos rios Piancó e Aguiar, seus principais afluentes.

Com capacidade total para mais de 1 bilhão 289 milhões de metros cúbicos, o complexo tem atualmente mais de 238 milhões 323 mil 099 metros cúbicos no Açude de Coremas e 207 milhões 209 mil 337 m³ na barragem Mãe dÁgua, o volume do completo chegou a marca exata de 445 milhões 532 436 m³ em sua bacia hidrográfica, ou 34,56% de seu volume total, algo que não acontecia há pelo menos oito anos, segundo a AESA.

Se considerado apenas o mês de março, a recarga proveniente das chuvas ocorridas próximo aos seus principais afluentes, representa um acréscimo superior a 309 milhões de metros cúbicos, volume suficiente para fazer transbordar quase 6 vezes o açude de Capoeira, outro manancial que abastece a cidade de Patos.

De acordo com o físico e meteorologista Rodrigo César Limeira, a expectativa para esse ano é que o final da estação chuvosa ocorra somente no mês de maio.

Como o complexo continua recebendo bastante água, cresce a possibilidade que ele possa ultrapassar a marca de 500 milhões de metros cúbicos em sua bacia hidrográfica, no ano de 2020.

O seu último transbordamento aconteceu no ano de 2009.

Por Genival Junior – Patosonline.com

Publicado por: Chico Gregorio