25/05/2019
10:00

Caso a PEC 56/2019 que propõe unificação das eleições em 2022, seja aprovada, todos os prefeitos do país seriam beneficiados com mais dois anos de mandato. Com isto, o prefeito afastado de Patos, Dinaldo Filho, seria um deles, mesmo estando hoje fora do cargo de forma temporária. Como o Tribunal de Justiça da Paraíba ainda não o julgou com base nas acusações da Operação Cidade Luz, de vários crimes que teriam sido cometidos, Dinaldo ficaria, em tese, no mandato até lá.

A PEC apresentada na Câmara Federal quer estender os mandatos dos vereadores e prefeitos para que, a partir de 2022, as eleições municipais e gerais sejam unificadas. A iniciativa é do deputado Rogério Peninha Mendonça (MDB/SC). A proposta cancela o pleito de 2020 e com isso os brasileiros iriam às urnas dois anos depois para votar para presidente, governador, senador, deputado federal, deputado estadual, prefeito e vereador.

Políticos de 210 municípios paraibanos, entre prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, assinaram, nesta sexta-feira (24), um manifesto em defesa da PEC 56/2019, apensada à PEC 376/2009, que propõe uma eleição única em 2022. A adesão aconteceu durante ato realizado pela Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup), em Campina Grande. Durante o evento, que contou com a participação de senadores, deputados federais e estaduais, também ficou garantido o apoio da bancada federal paraibana no Congresso à causa.

De acordo com o autor da PEC 56/2019, o deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB-SC), a proposta já recebeu o parecer favorável do relator na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, Valtenir Pereira (MDB-MT), e aguarda apenas a votação para seguir ao plenário. “Temos grandes chances de aprovarmos essa proposta, basta união. Então, é importante que identifiquemos os deputados de cada estado que compõem a CCJ para pedirmos o apoio, pedir para que votem favorável ao relatório”, destacou durante pronunciamento encaminhado aos prefeitos e vereadores da Paraíba.

Vicente Conserva – Portal 40 Graus

Publicado por: Chico Gregorio


25/05/2019
09:54

A governadora Fátima Bezerra defendeu na reunião do Conselho Deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), que 30% dos recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) passem a ser destinados para investimento em infraestrutura nos estados da região.

A proposição foi acatada de forma consensual pelo conselho da Sudene, que é integrado por todos os governadores da região Nordeste, de Minas Gerais e Espírito Santo, representantes de prefeitos, trabalhadores e empresários da região, e pelo Governo Federal.

A ideia apresentada pela governadora do RN é de que a verba do FNE, gerida pelo Banco do Nordeste, seja aplicada em obras prioritárias, seguindo o Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE) 2020-2023.

O plano foi apresentado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional durante a reunião realizada nesta sexta-feira (24), no Instituto Ricardo Brennand, em Recife-PE, com a presença do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL).

“O plano é uma ferramenta muito importante para a região, mas é preciso que ele não seja um plano de prateleira. Por isso é fundamental a questão do financiamento com os 30% dos recursos do FNE, podendo assim dar início a ações estratégicas inseridas no plano”, destacou Fátima Bezerra.

Ainda sobre o plano regional, a governadora apresentou três sugestões: reforço da infraestrutura hídrica, o fortalecimento da infraestrutura logística do Nordeste e o fomento às ações de inclusão socioprodutiva.

Fátima também defendeu a inclusão de uma representação dos governadores no Comitê de Acompanhamento do FNE, que pela proposta original só teria membros do Ministério da Economia, da Sudene e do Banco do Nordeste. As proposições foram recebidas pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e serão incluídas no plano até o fim do julho, que então será encaminhado para apreciação do Congresso Nacional.

Proposta apresentada pela governadora Fátima Bezerra em nome dos governadores do Nordeste foi acatada pelo Conselho da Sudene

O Plano de Desenvolvimento é fruto da Política Nacional de Desenvolvimento Regional, criada pelo Governo Federal em 2007. O documento apresentado pelo Governo Federal inclui o Rio Grande do Norte quando trata de áreas como geração de energia eólica, fruticultura irrigada, apicultura, Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF) e combate à violência.

O trabalho ainda prevê uma série de ações na parte de infraestrutura em solo potiguar, como a ampliação das BR’s 110 (Areia Branca-Salvador) e 304 (Natal-Fortaleza), a criação da Ferrovia Litorânea ligando as capitais potiguar e baiana, além de obras de segurança hídrica vitais para o estado como a conclusão da barragem de Oiticica, os sistemas adutores Oiticica-Caicó e Armando Ribeiro-Currais Novos – que são parte do Projeto Seridó – e a ampliação dos sistemas adutores Monsenhor Expedito, Maxaranguape, Santa Cruz-Pau dos Ferros e Santa Cruz-Mossoró.

“A conclusão do eixo norte do projeto de transposição do rio São Francisco é uma necessidade imperiosa, assim como essas ações estratégicas para o nosso estado, como o Projeto Seridó, que estão incluídas no plano de desenvolvimento e no Plano Nacional de Segurança Hídrica”, apontou Fátima.

De acordo com superintendente da Sudene Mário Gordilho, o plano de desenvolvimento regional terá vigência imediata. “O plano que apresentamos será ainda um instrumento orientador do planejamento que se propõe a conduzir e monitorar a política de desenvolvimento no horizonte dos próximos 12 anos”, explicou ele.

Infraestrutura

O Governo Federal ainda apresentou durante a discussão no Condel o aumento na verba disponível para infraestrutura e microcrédito no Banco do Nordeste. Serão R$ 4 bilhões a mais no FNE em 2019, cujo saldo sairá de de R$ 23,7 bilhões para R$ 27,7 bi.

“Teremos R$ 3 bilhões a mais para serem investidos em infraestrutura e R$ 1 bilhão no programa nacional de micro crédito produtivo orientado, que já existe em área rural e vai ser realizado em área urbana”, explicou o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto.

Via Agência Saiba Mais.

Publicado por: Chico Gregorio


25/05/2019
08:40

Resultado de imagem para fotos da senadora zenaide com jean prates

Os senadores potiguares Jean Paul Prates (PT) e Zenaide Maia (PROS) se uniram a colegas do PT e Rede e apresentaram projeto para derrubar o decreto de armas do presidente Jair Bolsonaro.

:::Confira a íntegra da proposta:::

A proposta foi distribuída à Comissão de Constituição e Justiça e já está em tramitação sob a relatoria do senador Marcos do Val

Os parlamentares consideram que as mudanças feitas por Bolsonaro não são suficientes e pedem a revogação das duas medidas.

Um dos projetos de decreto legislativo (PDL) foi apresentado pela bancada do PT, que tem seis senadores, e por Zenaide Maida (PROS-RN).

Outro projeto foi apresentado por dois senadores da Rede, Fabiano Contarato (ES) e Randolfe Rodrigues (AP).

“Ante o exposto, é evidente que não há legitimidade para o Poder Executivo, por meio de decreto, suprimir a vontade do legislador e da população em restringir a posse e o porte de armas, razão pela qual tal abuso de poder deve ser controlado pelo Congresso Nacional com a aprovação do presente Decreto Legislativo”, escrevem os senadores.

Via Blog. do Dina.

Publicado por: Chico Gregorio


25/05/2019
08:22

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão critica o fato de que o decreto desobriga que as munições adquiridas sejam marcadas com número de série. Segundo o órgão, essa previsão dificulta o controle e a apuração de eventuais crimes cometidos com essas munições. “O que certamente facilitará o acesso a elas por organizações criminosas e milícias e o aumento da violência no Brasil”, diz a Procuradoria.;

Via 247-Brasil.

Publicado por: Chico Gregorio


25/05/2019
08:19

247 – Apontado como o arrecadador de parte dos salários de funcionários do gabinete do então deputado deputado Flávio Bolsonaro, o ex-assessor Fabrício Queiroz já pagou até o momento R$ 133,58 mil em dinheiro vivo pelo tratamento que fez no hospital israelita Albert Einstein contra um câncer.

Segundo informações divulgadas pelo seu advogado, Paulo Klien, Queiroz pagou R$ 64,58 mil pela cirurgia, outros R$ 60 mil para a equipe médica e R$ 9 mil ao oncologista, tudo em espécie.

Publicado por: Chico Gregorio


25/05/2019
08:15

No dia 8 de fevereiro, um incêndio destruiu as instalações do alojamento onde ficava os jogadores da categoria de base e provocou a morte de 10 atletas (Foto: Reprodução)

A presença e permanência de crianças e adolescentes no Ninho do Urubu, centro de treinamento do Flamengo, foi autorizada pela Justiça. A medida foi tomada pelo juiz Pedro Henrique Alves, da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, e divulgada nesta sexta-feira (24). Com isso, atletas das categorias de base do clube podem voltar a frequentar e permanecer no local.

A decisão judicial foi baseada em um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado entre o clube e a Justiça no último dia 21, com a definição de obrigações do Flamengo para garantir segurança, escolaridade e saúde aos atletas.

O TAC determina que o Flamengo providencie o Habite-se regular junto à prefeitura do Rio no prazo de 180 dias, sob pena de revogação do documento. Precisará ainda do alvará de funcionamento expedido pelo município, certificado do Corpo de Bombeiros, plantas das edificações, protocolo de segurança contra incêndio e pânico, treinamento de evacuação e rotina de treinamentos.

Outra obrigação é a oficialização de contratos de formação dos jogadores, residentes ou não no centro de treinamento, com a previsão de bolsa para os atletas de faixa etária entre 14 e 20 anos, conforme a Lei Pelé. Cabe ainda ao clube assegurar o acesso e a permanência do jovem em estabelecimento regular de ensino.

No dia 8 de fevereiro, um incêndio destruiu as instalações do alojamento onde ficava os jogadores da categoria de base e provocou a morte de 10 atletas, além de ferimentos em três jogadores.

Por Agência Brasil

Publicado por: Chico Gregorio


25/05/2019
08:12

O ministro demissionário da Economia, Paulo Guedes, se colocou no bico do corvo ao afirmar que abandonaria o barco [governo] caso a reforma da previdência não seja aprovada do jeito que ele quer. A declaração do “Posto Ipiranga” causou reações a estibordo e a bombordo da política brasileira.

O ministro da Economia disse à Veja que pegaria um avião e iria morar lá fora. “Já tenho idade para me aposentar”, avisou, se a reforma da Previdência não for aprovada ou se ela “virar uma reforminha”.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) interpretou a “reforminha” referida por Guedes como “coisa de japonês” (pequena).

O presidente da comissão especial da reforma, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), criticou Guedes classificando sua entrevista de arrogante e que o ministro é empregado do Brasil — não o contrário.

“Falta humildade ao ministro Paulo Guedes. O Brasil não trabalha pra ele. Ele é que é empregado do Brasil”, disparou.

Nem mesmo os mais militantes defensores da reforma da previdência, como a Globo e os jornalões, acreditam mais na possibilidade de o fim da aposentadoria passar no Congresso.

A convicção de que a reforma baterá na trave é tal que até o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fala em buscar alternativamente “mais de R$ 1 trilhão” com a atualização do valor venal de imóveis. O numerário seria pago pelo vendedor do bem.

Paulo Guedes, outrora Posto Ipiranga, se achava imprescindível. Mas o capitão disse-lhe que a porta é a serventia da casa: está “no direito dele” e não é obrigado a continuar no governo.

Essa não é a primeira vez o ministro compra briga com “gregos e baianos”. Em fevereiro, por exemplo, ele dissera que era preciso dar uma “prensa” no Congresso para passar a reforma.

Agora a chantagem de Guedes parece que também não caiu bem. Todo o mundo político quer a cabeça dele.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) publicou no Twitter que faz questão de pagar o táxi de Paulo Guedes até o aeroporto, porta de saída do país.

Antes mesmo desse entrevero, na terça-feira (21), o ex-senador Roberto Requião (MDB-PR) havia aconselhado Bolsonaro a se livrar de Guedes.

Via Esmael Morias.

Publicado por: Chico Gregorio


25/05/2019
08:07

Resultado de imagem para samu 102
SAMU 192
Ministério da Saúde está doando 12 veículos para utilização como Renovação de Frota do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência-SAMU 192 para serem utilizados nos Municípios: Açú, Apodi, Areia Branca, Canguaretama, Ceará-Mirim, João Câmara, Macaíba, Parnamirim, Pau dos Ferros com encargos, no valor total de R$ 2.072.400,00.
Via Rosalie Arruda;

Publicado por: Chico Gregorio


25/05/2019
08:02

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, disse que as informações fraudulentas já fazem parte do processo eleitoral em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil. A declaração foi dada noite de hoje (24) no seminário Fake News: Desafios para o Judiciário, organizado pela Ordem dos Advogados do Brasil, que debateu o papel da Justiça frente às notícias falsas, na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo.

“Pesquisa realizada pelo Ideia Big Date e divulgada neste mês revelou que mais de dois terços das pessoas receberam fake news pelo Whatsapp durante a campanha eleitoral de 2018”, disse Toffoli ao classificar o fenômeno das fake news como abrangente e complexo. “Esse processo [de desinformação] pode colocar em risco os processos e os valores democráticos”.

Para o presidente do STF, esse ambiente também propicia o avanço do discurso de ódio. “São discursos que estimulam a divisão social a partir da dicotomia entre nós e eles e que remete ao fantasma das ideologias fascistas conforme explica Jason Stanley em obra extraordinária recente Como Funciona o Fascismo”, disse.

Toffoli disse que tudo isso polui o debate democrático em dois aspectos principais: primeiro o cidadão passa a formar sua opinião e se conduzir na democracia guiado por ilusões, por inverdades e a deturpação da realidade deturpa os caminhos da própria democracia; e, segundo, ultrapassada a fronteira do pluralismo, do embate construtivo de ideias e opiniões, a polarização extrema inviabiliza o diálogo.

O ministro de STF Ricardo Lewandowski disse que houve uma divulgação “absolutamente incontrolável de fake news durante o período das eleições em 2018”. Para ele, o fenômeno é uma realidade com a qual a sociedade convive diariamente e deu exemplos de notícias falsas que circularam no país.

“Tivemos também o caso do kit gay, que foi amplamente divulgado, que o Ministério da Educação no Brasil teria disseminado nas escolas brasileiras um kit gay. O ministro da Educação teve que vir a público desmentir aquilo que era obviamente, a meu ver pelo menos, inverossímil”, citou. “Tivemos o caso da Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro brutalmente assassinada, que de repente foi acusada de estar envolvida com o tráfico de drogas”.

Em relação à influência das fake news em processos eleitorais, Lewandowski acredita que é preciso desenvolver instrumentos adequados para combatê-la. “Nós da Justiça Eleitoral e do Poder Judiciário deveríamos ter instrumentos para neutralizar a influência nefasta e negativa das fake news. Se a Justiça Eleitoral não estiver à altura de cumprir esse dever, é melhor fechar as portas e entregar a chave dos tribunais eleitorais aos partidos políticos”, disse.

O coordenador do Observatório da Liberdade de Imprensa da OAB, Pierpaolo Bottini, também falou sobre o uso das fake news com finalidade política nas eleições de 2018. “Exemplos revelam que nossa história tem uma intimidade com notícias falsas e revelam seu potencial de abalar as estruturas democráticas e revelam seu potencial para muitas vezes justificar medidas autoritárias”, disse.

Ao avaliar que o fenômeno das fake news não é novo no país, ele lembrou que a história está permeada de notícias falsas. “Em 31 de março de 1964, o [senador] Auro Andrade no Congresso Nacional declara vago o cargo de presidente da República porque seu mandatário supostamente não se encontrava no país, quando se sabia que o presidente da República se encontrava em território nacional. Podemos dizer, portanto, que uma fake news inaugurou o regime militar no Brasil, que foi encerrado, de certa forma, por uma tentativa desastrada de fake news no Riocentro, em 1981”.

Com informações da Agência Brasil

Publicado por: Chico Gregorio


25/05/2019
07:59

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) determinou o bloqueio de mais de R$ 3,57 bilhões, incluindo valores e bens dos partidos MDB e PSB, de empresas, políticos e outros indivíduos. Cabe recurso da decisão.

O bloqueio abrange R$ 1.894.115.049,55 do MDB, de Valdir Raupp (MDB-RO), da Vital Engenharia Ambiental, de André Gustavo de Farias Ferreira, de Augusto Amorim Costa, de Othon Zanoide de Moraes Filho, Petrônio Braz Junior e espólio de Ildefonso Colares Filho; e mais R$ 816.846.210,75 do PSB. O deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), por sua vez, teve R$ 333.344.350,00 bloqueados.

Também foi alvo da decisão o senador Fernando Bezerra (PSB-PE) que, junto com o espólio de Eduardo Campos, político do PSB já falecido, teve bloqueados R$ 258.707.112,76.

Os bloqueios foram pedidos pelo Ministério Público Federal (MPF) no âmbito de uma ação de improbidade administrativa ainda inconclusa que trata de desvios na Petrobras investigados pela Lava Jato.

Pela decisão, o bloqueio visa “garantir a efetividade do resultado final da ação – em que apurada a existência de um amplo esquema criminoso, com prejuízos expressivos para toda a sociedade”.

Em relação aos partidos políticos, a força-tarefa da Lava Jato e a Petrobras pediram que o bloqueio não alcance as verbas repassadas por meio do fundo partidário que, pela lei, são impenhoráveis.

A medida concedida pelo TRF4 diz respeito a dois esquemas de corrupção: um envolvendo contratos vinculados à Diretoria de Abastecimento da Petrobras com a construtora Queiroz Galvão; outro correspondente ao que seria o pagamento de propinas no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito encarregada de apurar os fatos, para acobertar o esquema instaurado pelas empreiteiras e ex-dirigentes.

Agência Brasil tenta contato com a defesa dos citados.

A Justiça pediu ainda o bloqueio de R$ 107.781.450,00 do espólio de Sérgio Guerra; R$ 200.000,00 de Maria Cleia Santos de Oliveira e Pedro Roberto Rocha; R$ 162.899.489,88 de Aldo Guedes Álvaro e 3% do faturamento da Queiroz Galvão.

Publicado por: Chico Gregorio


24/05/2019
11:00

Segundo a nova pesquisa da XP/Ipespe, 36% dos eleitores consideram o governo de Jair Bolsonaro ruim ou péssimo, e 34% o consideram ótimo ou bom. Por outro lado, 26% consideram regular- uma espécie de “mediano”.

É a primeira vez que a XP mostra a desaprovação maior do que a aprovação.

A pesquisa foi realizada entre os dias 20 e 21 de maio, e entrevistou 1000 pessoas de todas as regiões do país – via telefone, sob margem de erro para cima ou para baixo de 3,2%.

O Antagonista

Publicado por: Chico Gregorio


24/05/2019
10:54

A visita do ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, presidente regional do PSB e presidente nacional da Fundação João Mangabeira, ontem, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Curitiba, na cela da Superintendência da Policia Federal, onde ele está recolhido, traduziu postura de coerência do líder socialista paraibano que, ainda no exercício do segundo mandato, reaproximou-se do PT e trouxe à Paraíba tanto Lula como a ex-presidente Dilma Rousseff para assistirem à chegada das águas da transposição do rio São Francisco. Ricardo fez-se acompanhar na visita pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, como parte da estratégia em que se empenha para agregar partidos de oposição, apesar das resistências e restrições do ex-presidenciável Ciro Gomes ao PT e ao próprio Lula. O ex-governador paraibano também esteve no acampamento “Lula Livre”, que é mantido nas proximidades do prédio da Polícia Federal na Capital paranaense, por militantes intimoratos do Partido dos Trabalhadores.

Leia mais…

Publicado por: Chico Gregorio


24/05/2019
10:51

 

Depois de estimular movimento contra Congresso, Bolsonaro parte para o diálogo com parlamentares

Bem antes de eleito, Luís Inácio Lula da Silva Lula afirmou, em depoimento gravado em 1997, que o Congresso funciona como “um balcão de negócio”, onde o presidente da República, a cada votação, é obrigado a chamar os “Judas” para “saber quantas moedas as pessoas precisam para votar”.

Jair Bolsonaro foi eleito com a proposta de “mudar o sistema”, e não alimentá-lo, como costumam lembrar os seus seguidores mais ortodoxos. Essa seria a justificativa para a total falta de ambiência do governo com o Congresso onde o então deputado federal militou por três décadas.

Nesse ponto, comportamento do presidente oscila, como quase em tudo.

Cospe agora no Centrão, formado por muitos partidos que torceram e estiveram – direta ou indiretamente – com ele no segundo turno. Esse grupo queria qualquer coisa, menos Haddad e a volta do PT, a quem ajudou derrubar. O voto em Bolsonaro foi por gravidade.

Já eleito, o presidente casou com o DEM, partido do Centrão a quem deu três ministérios numa Esplanada reduzida, e ajudou a legenda a comandar Câmara e Senado, de uma vez.

Bolsonaro ora despreza o Parlamento, quando estimula o movimento do dia 26 contra partidos e parlamentares desse espectro, ora se aproxima, como fez ontem ao deflagrar reuniões com deputados e senadores, começando pela bancada do Nordeste, num gesto um tanto mais consequente.

Quando chegou ao poder, Lula soube muito bem transitar no “balcão de negócios”. O tempo mostrou que a conversão dos que ele chamava de “Judas” custou muitas “moedas”. A bravata não se sustentou na realidade.

E, definitivamente, não será com bravatas que Bolsonaro governará. Eis a realidade que o presidente começa a ter que enfrentar, ouvindo e dialogando com os parlamentares, entre Judas e bons samaritanos.

Espera-se, entretanto, que ele tenha capacidade e tino de estabelecer uma relação civilizada e estável, com argumento e convencimento. Sem precisar sacar mais moedas, trair e repetir a história.

Via Heron Cid.

Publicado por: Chico Gregorio


24/05/2019
10:45

Resultado de imagem para fotos de bolsonaro em pernambuco

presidente Jair Bolsonaro, que viaja para Pernambuco nesta sexta-feira (23) em sua primeira visita oficial ao Nordeste desde que assumiu o governo, deverá enfrentar manifestações em larga escala. Além de ter sido a única região em que perdeu o pleito presidencial, oito dos nove governadores são de partido de oposição e, conforme pesquisa do Datafolha, 39% dos nordestinos avaliam a gestão Bolsonaro como ruim ou péssima.

A primeira manifestação contrária à visita presidencial, contudo, aconteceu antes mesmo de seu embarque, com o cancelamento do título de Cidadão Petrolinense pela Câmara de Vereadores de Petrolina, município do Sertão pernambucano, na sessão desta quinta-feira.

Bolsonaro viajará para o Recife para participar de uma reunião com os governadores da região, além de Minas Gerais e do Espírito Santo. Na ocasião, ele deverá anunciar um adicional de R$ 2,1 bilhões para o Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste, destinado a obras de infraestrutura. Da capital Pernambuco, ele deverá ir à Petrolina, distante cerca de 740 quilômetros da capital, para entregar imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida.

No Recife, estudantes da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) também estão programando uma manifestação defronte ao Instituto Ricardo Brennand, onde o presidente cumpre agenda, onde um caixão deverá queimado.

Também estão previstas manifestações nos municípios de Salgueiro e Serrita, onde o governo Bolsonaro pretende liberar áreas para a atividade de garimpo. Na última segunda-feira (20), a hashtag “Nordeste cancela Bolsonaro” ocupou o primeiro lugar entre os assuntos mais comentados no Twitter em nível mundial.

Brasil 247

Publicado por: Chico Gregorio


24/05/2019
10:33

A homologação do resultado final do concurso público da Prefeitura de Jardim do Seridó/RN foi publicada no Diário Oficial dos Municípios do Rio Grande do Norte, nesta quarta-feira, 22 de maio.

Ainda não há previsão para início do procedimento de convocação dos aprovados, devendo ocorrer inicialmente com prioridade para as áreas da saúde e a educação, à medida em que se fizer necessário ao interesse público e, primordialmente, dentro das forças financeiras dos cofres municipais.

Publicado por: Chico Gregorio